Buenos Aires Times | Brasil pressiona mais uma vez para flexibilizar as regras do acordo comercial do Mercosul

O Brasil quer mudar as regras do bloco comercial do Mercosul para torná-lo mais flexível, para que cada país possa negociar de forma independente acordos comerciais com outros países.

“Nossa meta é que o Mercosul seja um bloco negociador efetivo.” O chanceler brasileiro, Ernesto Araujo, disse à AFP em uma entrevista na quinta-feira.

“Se for possível através do Mercosul como bloco, tudo bem. Se é melhor em alguns casos trabalhar individualmente … então precisamos encontrar essa flexibilidade.”

O Mercosul tem que estar aberto ao mundo e permitir ou [at least] A abertura do Brasil ao mundo não o impede. “Isso é vital para nossa competitividade”, disse o ministro.

Os comentários mais uma vez puxam a cortina para as tensões dentro do bloco comercial latino-americano. Brasil, Paraguai e Uruguai apóiam a liberalização das regras existentes que impedem os membros de negociar negócios individuais sem o consentimento de todos os parceiros. Mas a Argentina, sob a liderança do líder peruano Alberto Fernandez, está menos entusiasmada.

As tensões entre Fernandez e seu sincero homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, que não concorda em praticamente nada, não ajudaram na pressão para suavizar a regra. Os dois líderes, apesar de serem grandes parceiros de negócios entre si, dificilmente se relacionam.

No entanto, Brasília confirmou esta semana que Bolsonaro fará sua primeira viagem à Argentina desde que Fernandez abriu a próxima cúpula do Mercosul, que foi marcada para 26 de março – data que marca o aniversário do bloco em Foz de Iguaçu, há 30 anos.

A expectativa é de que Brasil, Paraguai e Uruguai retomem a discussão sobre o tema nessa reunião, além de pressionar pela redução das tarifas do Mercosul.

READ  Mercado Global de Cera de Carnaúba 2020 Principais Fatores, Estimativas Futuras, Volume de Consumo, Fatores Principais e Análise Regional até 2025 - King Saud University

Em entrevista à Agence France-Presse, Araujo defendeu uma “redução gradativa” da tarifa externa comum do bloco, outro assunto que vem sendo discutido há anos no bloco.

Ele declarou: “Temos a ideia de reduzir a eletrônica avançada para melhorar a competitividade, mas de forma gradual, que leve em conta também a nossa realidade, os nossos setores produtivos”.

‘Grupos de interesse’

O chanceler brasileiro Ernesto Araujo disse quinta-feira que muitos “grupos de interesse” pressionam a União Europeia a usar o meio ambiente “como desculpa” para atrasar a ratificação do acordo abrangente de livre comércio com o bloco do Mercosul.

Em declarações à Agence France-Presse, as autoridades brasileiras acusaram grupos de interesse de “lidar com a questão ambiental para atrasar este acordo”, embora ele tenha insistido que não disse que “a preocupação com o meio ambiente é ilegal”.

O marco do acordo comercial, firmado após mais de 20 anos de negociações, não avançou desde sua aprovação inicial em 2018. A ratificação entre os 27 estados membros da UE, especialmente na França e na Alemanha, foi paralisada devido a preocupações com a remoção da floresta amazônica .

Falando de Brasília, Araujo disse: “O Brasil, assim como grandes produtores como Argentina e Uruguai, têm feito sacrifícios para absorver este setor, que tem grande importância na França e em outros países europeus”.

“É muito importante desmistificar que o acordo Mercosul e a União Européia vão contribuir para a destruição da Amazônia. De qualquer forma, estamos prontos para mostrar que não é assim”, acrescentou.

Para abrir o caminho para a certificação, no mês passado a União Europeia sugeriu que as partes interessadas emitissem uma declaração conjunta se comprometendo com a sustentabilidade ambiental, incluindo a limitação do desmatamento.

READ  Plano de vacinas da Nova Zelândia, registro de mortes no Brasil: atualização de vírus

O ministro brasileiro disse: “Concordamos, em princípio, que haja algum tipo de compromisso adicional, porque não queremos reabrir o que já foi fechado no acordo. É importante que seja algo de reciprocidade, porque não só o Brasil tem que oferecer compromissos ambientais ”.

Um relatório de 2020 do governo de Paris estimou que o acordo UE-Mercosul poderia aumentar o desmatamento no Brasil em até 25%.

Os agricultores franceses – os principais produtores europeus de carne bovina – também criticaram o acordo como um “desastre”. Eles dizem que o acordo, que permite 99 mil toneladas de carne bovina dos países do Mercosul com uma tarifa de 7,5%, prejudicará sua indústria.

De acordo com um relatório em Conta de perfil, O ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Francisco Bustillo, ao testemunhar perante um painel de legisladores em Montevidéu esta semana, sugeriu que o acordo histórico foi rapidamente encerrado a pedido do ex-presidente argentino Mauricio Macri, que queria anunciar o acordo antes de tentar ser reeleito. .

Bustillo, que o jornal disse ter um bom relacionamento com o presidente Fernandez, disse que o negócio “não acabou”, com “quatro ou cinco questões muito importantes” na mesa bloqueando a ratificação.

TIMES / AFP / PERFIL

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *