Brasil suspende contrato com a Covaxin após ‘sérias alegações’ de irregularidades | Brasil

O ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Quiroga, anunciou na terça-feira que o Brasil suspenderá um contrato de vacina Covid-19 de US $ 324 milhões que levou o presidente Jair Bolsonaro a acusações de irregularidades.

Um acordo para comprar 20 milhões de doses de Covaxin da Bharat Biotech se tornou uma preocupação para Bolsonaro depois que denunciantes relataram supostas irregularidades.

Um ex-funcionário do Ministério da Saúde disse recentemente à procuradoria-geral que o havia avisado ao presidente Pressão para assinar um contrato Isso aumentaria o preço médio da dosagem em 1.000%.

Bolsonaro, cuja popularidade diminuiu depois que o número de mortos do COVID-19 no Brasil chegou a 500.000, negou qualquer irregularidade, dizendo na segunda-feira que não tinha conhecimento de nenhuma. Mas as perguntas espinhosas que ele se recusa a responder podem representar problemas para ele na corrida para a eleição presidencial do próximo ano.

Quiroga disse em entrevista coletiva que sua equipe investigaria as alegações durante o período de suspensão.

“De acordo com a análise preliminar, não há irregularidades no contrato, mas para cumprir, o Ministério da Saúde optou por suspender o contrato”, afirmou o ministério em nota.

Os promotores federais brasileiros abriram uma investigação sobre o negócio, citando preços relativamente altos, negociações rápidas e aprovações regulatórias pendentes como sinalizadores vermelhos. Também está sendo examinado por um comitê do Senado que investiga a forma como o governo está lidando com a pandemia.

Em audiência na sexta-feira, Luís Ricardo Miranda, chefe de importação da secretaria de saúde, disse aos senadores que se recusou a aprovar a licença de importação porque a nota fiscal do primeiro embarque pedia adiantamento e foi enviada por empresa não mencionada no contrato.

READ  Copa América: Neymar na marca da estreia do Brasil com vitória da Venezuela | Copa américa

Funcionários do governo negaram qualquer irregularidade no contrato e disseram que as alegações do denunciante seriam investigadas.

Um dos senadores de oposição proeminentes desse comitê entrou com uma queixa criminal formal contra Bolsonaro na Suprema Corte na segunda-feira. O senador Randolph Rodriguez disse que quer que o tribunal investigue “alegações sérias” e descubra por que Bolsonaro não tomou nenhuma providência depois de ser notificado sobre um gigantesco esquema de corrupção no Ministério da Saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *