Brasil, Rio Grande do Sul | Inundações – Recurso Emergencial nº: MDRBR011 – Brasil

Anexos

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho lança um apelo de emergência para fornecer apoio urgente às pessoas afetadas pelas enchentes devastadoras no Rio Grande do Sul, Brasil.

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um apelo de emergência de 8.000.000 de francos suíços para aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas inundações devastadoras no Rio Grande do Sul, Brasil.

Estas inundações sem precedentes afectaram dois milhões de pessoas nas zonas rurais e urbanas, enquanto o número de pessoas deslocadas ultrapassou os 620 mil, com mais de 81 mil pessoas permanecendo em escolas, ginásios e outros abrigos temporários. Esses números podem aumentar à medida que a avaliação dos danos continua em algumas áreas remotas ou isoladas, e o estado está novamente em alerta com o risco de a água subir para níveis recordes na capital, Porto Alegre.

Através deste apelo de emergência, durante os próximos 12 meses, a rede global da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho apoiará 25.000 pessoas que perderam as suas casas e que necessitam urgentemente de assistência, especialmente famílias monoparentais com crianças menores de idade. cinco anos de idade, idosos e pessoas com deficiência. .

Desde o início das chuvas, as equipes da Cruz Vermelha Brasileira têm trabalhado 24 horas por dia para manter as pessoas seguras. Os voluntários da Cruz Vermelha prestam primeiros socorros, cuidados de saúde e apoio psicológico às populações afetadas. Nos abrigos, tomam iniciativas para promover a higiene e ajudar as pessoas a se conectarem com os seus entes queridos.

O BRC também ativou centros de coleta e enviou toneladas de suprimentos humanitários para as áreas afetadas. Os voluntários ajudarão a distribuir suprimentos e trabalharão com as autoridades locais para avaliar as necessidades e os danos em 160 comunidades. Com o apoio da Federação Internacional, intensificarão a sua resposta, centrando-se na saúde, promovendo a saúde e a higiene, o apoio psicossocial e o acesso à água potável.

Só em Porto Alegre, mais de 80% da população não tem acesso à água encanada. Cinco das seis estações de tratamento de água da cidade não estão operacionais e as autoridades locais decretaram que a água seja utilizada exclusivamente para consumo essencial.

“No curto prazo, iremos concentrar-nos no cuidado da saúde física e mental das pessoas mais vulneráveis, garantindo-lhes o acesso à água – incluindo informação e meios para implementar a desinfecção da água doméstica – e distribuindo materiais de limpeza e higiene”. continuar a trabalhar com as nossas famílias”, disse Daniel Bolanos, Chefe da Delegação do Cone Sul à Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho: “Nosso objetivo é fornecer cobertores, lâmpadas solares e aconselhamento sobre prevenção de doenças”.

À medida que a resposta inicial avança, os especialistas da FICV em resposta a catástrofes que já se encontram na área afectada estão a preparar o caminho para ampliar a resposta. “Será preciso pelo menos um ano para recuperar das cheias e a Cruz Vermelha está pronta para coordenar com as próprias comunidades afectadas sobre o que priorizar e como lidar com elas ao longo do tempo”, acrescentou Bolanos.

Para mais informações ou para agendar uma entrevista: [email protected]

No Panamá: Susana Arroyo Barrantes +50769993199

Em Genebra: Tommaso della Longa +41 797084367 / Andrew Thomas +41 76367658

READ  Portugal tem a pior literacia financeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *