Brasil espera que as taxas de inadimplência diminuam e que o mercado de crédito se recupere em 2024

Após o ciclo de flexibilização das taxas de juros iniciado pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil em agosto do ano passado, os níveis de inadimplência em algumas das maiores instituições financeiras do país encerraram o primeiro trimestre deste ano estáveis ​​ou em tendência de queda.

Isto é um sinal de que o mercado de crédito poderá começar a sair da recessão em 2024, mas nem todos os intervenientes acompanharão esta recuperação da mesma forma. Em contraste com os intervenientes estabelecidos – que suspenderam as concessões durante os picos de incumprimento, adotaram estratégias de redução de risco e retomaram lentamente novos empréstimos – concorrentes como o Nubank e o Agibank continuam a crescer sem desviar o seu foco dos clientes de baixos rendimentos.

No ano passado, o país registou um crescimento de 7,9% nos empréstimos pendentes, após uma desaceleração pronunciada em novos negócios/PMEs e franquias familiares não garantidas. Foi um declínio acentuado em comparação com os três anos anteriores, nos quais os saldos das carteiras cresceram em média 15 por cento ao ano – impulsionados pelo aumento extraordinário da liquidez causado pela pandemia de Covid.

Tal como mencionado anteriormente, grande parte deste crescimento do crédito foi impulsionado pelo aumento dos titulares de cartões de crédito, não apenas pelas mãos de instituições tradicionais, mas através de bancos digitais e empresas fintech.

Embora isto tenha empurrado dezenas de milhões de brasileiros para o sistema bancário, também empurrou muitos para o endividamento, à medida que problemas como a baixa literacia financeira, barreiras persistentes ao crédito e taxas de juro elevadas se tornam mais aparentes.

READ  Mark Mobius não consegue tirar seu dinheiro da China; Ele diz que Índia e Brasil são melhores opções de investimento

A carga dos cartões de crédito sobre a renda pessoal aumentou de 23,6% em 2019 para 30,7% em junho passado, quando a taxa de inadimplência do Brasil atingiu o pico.

No entanto, desde o segundo semestre de 2023, factores como a inflação baixa, um mercado de trabalho flexível e o programa governamental Bolsa Família de transferência de rendimentos ajudaram as famílias a sair das dívidas e a melhorar a sua pontuação de crédito.​​

Taxa de inadimplência de crédito não alocado (para dívidas inadimplentes há mais de 90 dias), inclui mutuários pessoas físicas e jurídicas, recibo 4,5 por cento em Abril deste ano, os últimos dados disponíveis, uma queda de 0,1 ponto percentual em relação ao ano anterior.

dois…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *