Biden sugere que Netanyahu prolongue a guerra para permanecer no poder: atualizações ao vivo

Relatos da mídia iraniana disseram que ataques aéreos israelenses perto de Aleppo, na Síria, nas primeiras horas de segunda-feira, mataram um general da Guarda Revolucionária Iraniana que havia sido destacado para o país como conselheiro.

O iraniano foi identificado como General Saeed Abyar pela Agência de Notícias Tasnim, um meio de comunicação afiliado à Guarda Revolucionária. Acredita-se que ele seja o primeiro iraniano morto por Israel desde que os dois países quase entraram em guerra em abril, depois que Israel bombardeou o complexo da embaixada iraniana em Damasco, matando vários líderes.

O Irão respondeu atacando Israel com uma barragem de 300 drones e mísseis balísticos, após o que Israel atacou uma base militar iraniana com um míssil.

Mas desde então, os dois países afastaram-se de confrontos directos e enfrentaram intensa pressão internacional para não desencadear uma nova guerra regional mais ampla. Agora o Irão está envolvido numa crise de liderança interna, tornando improvável uma nova onda de ataques a Israel.

Ali Bagheri Kani, ministro interino das Relações Exteriores do Irã, chegou a Beirute, no Líbano, para uma reunião com o Ministro das Relações Exteriores libanês na segunda-feira.crédito…Hassan Ammar/Associated Press

O Irão está a sofrer com a morte súbita do seu Presidente, Ebrahim Raisi, e do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir Abdollahian, há duas semanas, num acidente de helicóptero. O país também se prepara para realizar eleições presidenciais em 28 de junho, com mais de 80 candidatos, representando uma ampla gama de facções políticas, inscritos como candidatos.

Tasnim publicou uma foto do general Abyaar, vestindo roupas pretas e em frente a um santuário xiita. O seu caixão, embrulhado na bandeira iraniana e acompanhado da sua fotografia, foi transportado para o santuário de Sayyida Zeinab em Damasco. Fotos divulgadas nas redes sociais.

READ  Zelensky faz visita surpresa à Holanda: mídia | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

O General Abyar era membro da Força Quds do Irão, um ramo da Guarda Revolucionária que opera principalmente noutros países. Ele está na Síria desde 2012, quando era Eles foram enviados para ajudar o governo em Damasco a travar uma guerra civil com as forças da oposição e os terroristas do Estado Islâmico.

A Força Quds utiliza agora a Síria como quartel-general regional para coordenar e armar grupos de milícias regionais conhecidos como o “Eixo da Resistência”, incluindo no Líbano, no Iraque e na Cisjordânia.

A agência de notícias Tasnim informou que Israel atacou vários alvos nos arredores de Aleppo na noite de domingo e na manhã de sábado, matando 17 pessoas e ferindo outras 15. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede na Grã-Bretanha, disse que entre os mortos estavam iraquianos, sírios e membros das Forças Democráticas Sírias. Hezbollah libanês. O grupo disse que o alvo parecia ser uma fábrica de cobre e um armazém de armas.

O ministro interino das Relações Exteriores do Irã, Ali Bagheri Kani, um militante com laços estreitos com a milícia regional, visitou Beirute na segunda-feira. Lá, ele manteve reuniões com altos funcionários libaneses e altos membros do Hezbollah, segundo a mídia iraniana.

Bagheri disse numa conferência de imprensa em Beirute que Israel era uma fonte de instabilidade na região e sublinhou que o Irão e os grupos armados regionais que apoia são “uma fonte de estabilidade e paz”.

Bagheri, que liderou a delegação iraniana em várias rondas de conversações secretas com os Estados Unidos em Amã sobre a guerra em Gaza e outras questões regionais, disse que Teerão e Washington continuaram a trocar mensagens após a morte de Raisi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *