Bennett College promove debate e exibição de filme sobre justiça reprodutiva no Brasil – Bennett College

A exposição é fundamental para compreender que as culturas do mundo são muitas vezes mais semelhantes do que diferentes.

O Bennett College recebeu recentemente no campus a Dra. filme “Terras Que Libertam/Terras Que.” Libertam”, dirigido pelos pesquisadores Diosmar Filho e Harrison Araujo. O documentário é composto por histórias do movimento de liberdade que acontece no Brasil.

O anfitrião da discussão e apresentação foi Barber, ex-aluna da Bennett University em 2007, junto com o Bennett College Global Studies e a equipe verde do Bennett College. Barber é membro do corpo docente do Departamento de Epidemiologia e Bioestatística da Escola de Saúde Pública Dornsife da Universidade Drexel e diretor inaugural do Centro Ubuntu sobre Racismo, Movimentos Globais e Equidade na Saúde da População. Este evento, apresentado em inglês e português, reuniu estudantes e professores do Bennett College com importantes pesquisadores e cientistas sociais para ouvir paralelos sobre a luta pela justiça reprodutiva e o impacto das mudanças climáticas nas mulheres brasileiras e nas mulheres da diáspora africana.

O filme documenta a trajetória dos negros quilombolas residentes na Chapada Diamantina (Bahia – Brasil), movimento de liberdade liderado pelos irmãos Julio Cupertino e Jaime Cupertino, rebeldes de consciência negra residentes nas terras ancestrais quilombolas da Caatinga. O documentário revela a moderna luta quilombola por direitos territoriais e sociais, a defesa do território quilombola de Vasante contra a Barragem de Parañas e a liberdade do guerreiro Julio Cupertino – o avô do território Paixão Velho.

“Experiências como estas são abrangentes”, diz a Dra. Anne Hayes, diretora executiva de Estudos Globais e Interdisciplinares do Bennett College e coordenadora da Discussão Cultural. Os estudantes traçaram conexões e paralelos com as situações que as mulheres negras enfrentam nos Estados Unidos. Para nossos alunos, esta foi uma oportunidade de interagir com um acadêmico de classe mundial sobre uma questão significativa e interdisciplinar de justiça social.

READ  Filme, julho | Kjøper gigante do filme de Hollywood de Larvik-regissør

“Penso que é importante expandir a conversa sobre racismo, justiça reprodutiva, racismo ambiental, todas estas questões – porque estão interligadas e algumas das suas soluções também estão interligadas”, disse o Dr. Barber.

“Acredito que essas conversas expandem a base de conhecimento para jovens mulheres negras”, acrescentou a Dra. Gwen O’Neill, ex-aluna do Bennett College em 1969. “Às vezes pensamos que o que estamos passando é isolado e não entendemos as interconexões não só entre o indivíduo, mas entre tudo (o resto).”

Outros palestrantes e participantes ilustres:

Diosmar Filho é Pesquisador Sênior e Coordenador Científico da Associação Ialita de Pesquisa – Pesquisa, Ciências e Humanidades, geógrafo e estudante de doutorado na Universidade Federal Fluminense no Brasil. É também diretor e produtor do documentário Terras Que Libertam/Terras Que Libertam, que documenta a trajetória da população negra quilombola da Chapada Diamantina (Bahia-Brasil). Diosmar atuou anteriormente como Professor e Coordenador Acadêmico da Especialização Lato Senso em Estado e Direito dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Especialização Lato Senso em Direitos Humanos e Contemporâneos – UFBA/UAB/CAPES.

A tradutora e membro do painel Dra. Andrea Ferreira é pesquisadora de pós-doutorado no Centro Ubuntu para Racismo, Movimentos Globais e Igualdade na Saúde da População e pesquisadora sênior e coordenadora científica da Associação de Pesquisa Ialita – Pesquisa, Ciência e Humanidades (Brasil). Sua pesquisa se concentra em segregação, habitação e desigualdades em saúde. Ferreira foi colaborador principal no projeto de pesquisa “Amazônia Legal Urbana – Análises Sócio-Espaciais das Mudanças Climáticas (2020/2022)” e atualmente co-lidera o projeto de pesquisa “Adaptação Climática: Intersecção do Brasil 2022-2024” para a Ialita Associação de Pesquisa.

Vanessa Melo é mestranda e doutora em Saúde Pública, Fulbright Visiting Scholar do Centro Ubuntu, especialização em Epidemiologia, do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS-UERJ). É graduada em Fonoaudiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em sua pesquisa atual, ela está interessada em compreender teorias e métodos quantitativos para avaliar as múltiplas interseções entre a injustiça ambiental e a incidência de doenças crônicas durante a gravidez no contexto das cidades brasileiras. Desde 2019 faz parte do Coletivo Negro Makota Valdina, primeiro grupo independente de estudantes e negros do IMS-UERJ.

READ  Telefonica Brasil SA - Pontos de Consenso para Alta Potencial de 32,4%

A discussão e a exibição do filme foram organizadas pelo Bennett College em colaboração com o Ubuntu Center e a Ialita Research Society.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *