Atualização 1 – Carrefour Brasil expressa seu pesar após novos protestos pela matança de negros

(Repete-se com protestos e muda o slug para CARREFOUR-BRASIL-PROTESTS / para combinar imagens e texto às segundas-feiras)

O supermercado Carrefour do Brasil disse na terça-feira que lamenta profundamente que os seguranças tenham sido espancados até a morte na quinta-feira passada em uma de suas lojas no Brasil, depois que centenas de manifestantes protestaram novamente contra o assassinato. .

Ativistas negros na cidade de Porto Alegre, onde ocorreu o assassinato, realizam manifestações em frente às lojas do Carrefour desde sexta-feira, com outro grande protesto ocorrendo na noite de segunda-feira.

Centenas de manifestantes agitavam bandeiras e gritavam slogans do lado de fora de uma loja do Carrefour no leste da cidade ao anoitecer, segurando cartazes como “A vida dos negros é importante. Pare de nos matar”. Cartazes pedindo um boicote ao Carrefour foram amplamente distribuídos.

As ações do Carrefour caíram mais de 5 por cento na segunda-feira, eliminando 2,16 bilhões de riais (US $ 400 milhões) do valor de mercado. Nas negociações do meio da manhã de terça-feira, as ações caíram 0,6%.

A unidade brasileira do Carrefour, com sede na França, disse em um pedido de valores mobiliários na terça-feira, o primeiro aviso público aos investidores sobre o assassinato, que doará todos os lucros obtidos por lojas em todo o país em 20 de novembro para projetos anti-racismo, e 25 milhões de reais ( 4,6 milhões). Dólares) para um fundo de promoção da inclusão étnica.

Na noite de segunda-feira, alguns manifestantes começaram a demolir partes da cerca ao redor do supermercado e incendiar pneus. Um pequeno grupo de manifestantes atirou pedras contra os policiais, enquanto eles usavam equipamentos de controle de distúrbios.

READ  Resultados do 3T20: Telefônica Brasil SA

A polícia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha, e eles montaram a cavalo.

Em um vídeo amplamente divulgado nas redes sociais, dois guardas socam e perfuram o chão, João Alberto Silvera Freitas, de 40 anos. Os dois homens foram presos e o Carrefour Brasil disse que havia rescindido seu contrato com a empresa de segurança.

Não ficou claro se o racismo foi um fator na matança.

O Carrefour Brasil afirmou em nota na segunda-feira que reconhece a legitimidade dos protestos.

“Compartilhamos os mesmos sentimentos e estamos abertos para iniciar uma discussão na comunidade com o objetivo de encontrar soluções para que tais casos não voltem a ocorrer”, disse a rede de supermercados.

$ 1 = 5,4150 Riais, Relatório Diego Vara em Porto Alegre, Relatório Adicional de Carolina Mandel em São Paulo, escrito por Jake Spring; Editado por Kevin Levy e Alistair Bell

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *