As opções de ações são salários ou transações comerciais?

Segundo tribunal superior do Brasil pode mudar sua visão sobre opções de ações

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ), o segundo mais alto órgão judicial do Brasil, Prestes a decidir Se as opções de ações fornecidas como benefícios aos executivos devem ser legalmente interpretadas como parte de sua remuneração ou como um acordo comercial paralelo entre eles e a empresa.

Esta decisão servirá de referência para todas as ações judiciais relacionadas a esse tema. Mais de 500 processos estão suspensos em diversos tribunais aguardando decisão do STJ.

Status de jogo. A decisão determinará como e quando as opções de ações serão tributadas.

  • Até 27,5 por cento no momento em que o empregado compra as ações, ou 15 por cento e apenas quando as ações são vendidas – caso em que o imposto só será cobrado se houver um ganho de capital na transação (ou seja, se o valor do participação aumenta durante o período).

Sinais mistos. Embora o sistema de tribunais de trabalho tenha um historial de decisões positivas para os contribuintes – que interpretam os planos de opções de acções como transacções comerciais – o Tribunal de Recursos Fiscais, o CARF, decidiu muitas vezes na direcção oposta.

Fabian Zeola Menezes

Fabian, ex-editor-chefe do LABS (Latin American Business Stories), tem mais de 15 anos de experiência em reportagens sobre negócios, finanças, inovação e cidades no Brasil. Este último recentemente a trouxe de volta à sala de aula e fez com que ela fizesse mestrado em Gestão Urbana pela PUCPR. Na TBR, você monitora a política econômica, as empresas revolucionárias e as pessoas que impulsionam a inovação na América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *