Abundam as evidências do poder da ação física

O que a ciência sabe sobre a relação entre atividade física e COVID-19, e o que ainda precisa ser investigado? Bruno Gualanoprofessor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) no Brasil, responde a essas duas perguntas em um editorial. Publicados recentemente em Jornal Britânico de Medicina Esportiva.

“Como foi especulado no início da epidemia e agora foi estabelecido de forma consistente, pessoas fisicamente ativas tendem a experimentar uma forma mais leve da doença causada pelo SARS-CoV-2. Em conjunto, todas as pesquisas sobre esse tópico indicam que o risco de hospitalização está entre 30% e menos 40% em média para essas pessoas.” Agência FAPESP.

No entanto, ele observou que esta pesquisa foi realizada em diferentes países com diferentes populações geneticamente e demograficamente diferentes, e que os estudos se concentraram em diferentes desfechos, com alguns optando por hospitalização, outros por diagnósticos hospitalares e outros ainda imunocomprometidos. , por exemplo. Além disso, as definições de COVID-19 grave variam muito.

Em geral, a pesquisa publicada até o momento considera pessoas fisicamente ativas aquelas que fazem pelo menos 150 minutos por semana de exercícios moderados ou 75 minutos por semana de exercícios de alta intensidade, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“As pessoas que seguem essa recomendação tendem a ser mais jovens e menos obesas, e têm menos doenças crônicas”, disse Gualano. “Mas mesmo quando controlamos essas pessoas confusas [by means of statistical analysis]A atividade física está associada a um melhor prognóstico, o que significa uma menor probabilidade de hospitalização e morte.”

Artigo de Gualano e colaboradores Publicados Na mesma revista em julho de 2021, foi demonstrado que a doença tende a assumir uma forma leve em atletas profissionais. “Neste estudo, apresentamos a hipótese de que a proteção pode ser particularmente forte em pessoas que fazem muito exercício, como atletas profissionais, mas isso ainda não foi confirmado”, disse ele.

READ  Previsões brasileiras no domingo, incluindo Palmeiras vs. Bahia

Por outro lado, há evidências de que o desempenho atlético pode ser afetado devido a sintomas persistentes (prolongados) de infecção (COVID), como fadiga. Os pesquisadores também esperavam que os atletas fossem mais propensos a desenvolver inflamação no coração [myocarditis or pericarditis] Após contrair a doença, porém, os estudos realizados sobre este tema ainda são controversos.

A questão que ainda não foi esclarecida é se ter um emprego em esportes ou atletismo é um indicador de melhor prognóstico entre pacientes hospitalizados com COVID-19. Um estudo liderado por Gualano com 209 pacientes internados no Hospital das Clínicas (HC), complexo hospitalar administrado pela FM-USP, sugere que não (Mais em: agencia.fapesp.br/35154/).

Em contraste, um estudo espanhol de 552 pacientes foi realizado retrospectivamente e publicado em Doenças infecciosas e seu tratamento Concluiu-se que o risco de morte para pacientes agudos foi seis vezes menor quando tinham histórico de atividade física. No entanto, o viés de recuperação não pode ser descartado [in the case of this Spanish study]Desde o preenchimento dos questionários até 120 dias após a alta, e para os que morreram, os familiares dos pacientes forneceram os dados”, escreveu Gualano no editorial.

A capacidade da atividade física de melhorar a resposta às vacinas COVID-19, mesmo em pacientes imunossuprimidos, foi demonstrada ao CoronaVac em um estudo liderado por Eloisa BonfáDiretor Clínico do HC-FM-USP, e publicado em agosto de 2021, tendo Gualano como primeiro autor (Mais em: agencia.fapesp.br/36651/).

“Nossas descobertas são promissoras porque abrem uma área interessante de pesquisa que está intimamente relacionada às tendências atuais”, disse Gualano. “Sabemos que a eficácia da vacina diminui com o tempo e que a atividade física pode ser uma forma de prolongá-la. Isso fica evidente na literatura científica sobre vacinas para outras doenças, como a gripe.”

READ  USPA Global Licensing anuncia a expansão da US Polo Assn. Em parceria com a Alpar do Brasil

Lacunas

A maioria das publicações sobre o tema descreve estudos retrospectivos baseados na análise do histórico de atividade física dos pacientes, registros clínicos e desfechos após recuperação ou morte, bem como estudos transversais nos quais a associação entre atividade física e progressão da doença em um determinado momento , como durante a admissão dos pacientes no hospital, foi observada.

Para Gualano, os pesquisadores agora devem realizar estudos nos quais acompanhem voluntários fisicamente ativos por um longo período, começando antes de serem feridos e continuando até que o resultado seja estabelecido. Os resultados devem então ser comparados com os dos sujeitos estáveis, servindo como grupo controle.

“Ensaios controlados randomizados de grande escala podem validar dados obtidos em estudos observacionais, ajudando a produzir conhecimento sobre a recomendação ideal de atividade física para prevenção de COVID-19 grave. O mesmo vale para validar dados sobre O efeito da atividade física sobre a resposta à vacinação.

Ele também destacou a importância de estudos com modelos experimentais para construir conhecimento sobre os mecanismos moleculares e celulares que fundamentam os efeitos da atividade física na COVID-19.

“Também precisamos saber se a atividade física pode mitigar a transmissão e a reinfecção pelo SARS-CoV-2 e se o exercício regular pode ajudar a prevenir ou tratar o COVID-19 prolongado”, disse ele. É necessário financiamento para toda essa pesquisa, disse ele. . .

As lições aprendidas em quase dois anos de extensa pesquisa sobre o COVID-19, combinadas com o conhecimento previamente adquirido do sistema imunológico e da fisiologia clínica do exercício, servem de base para o que Gualano chama de “um apelo global à ação em termos de promoção da atividade física durante estas e futuras pandemias” Especialmente entre pessoas com sistema imunológico enfraquecido e pessoas com doenças crônicas.

Os gestores de saúde devem considerar a promoção da atividade física como estratégia para prevenir complicações tanto da forma aguda da COVID-19 quanto da COVID-19 prolongada. Estudos mostram que o risco de desenvolver problemas de saúde graves, especialmente doenças cardiovasculares, aumenta nos meses seguintes à infecção. A promoção de um estilo de vida saudável não só protege a população, mas também reduz a carga sobre o sistema de saúde.

READ  Espera-se que os Wolves vendam Daniel Podence depois que o extremo não viajou para o seu campo de treinamento em Portugal

###

Sobre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) é uma instituição pública que tem como missão apoiar a pesquisa científica em todas as áreas do conhecimento, oferecendo bolsas, bolsas e auxílios a pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior e pesquisa do estado de São Paulo, Brasil. A FAPESP entende que somente a melhor pesquisa pode ser feita trabalhando com os melhores pesquisadores do mundo. Portanto, estabeleceu parcerias com agências de financiamento, ensino superior, empresas privadas e organizações de pesquisa em outros países conhecidos pela qualidade de suas pesquisas e incentiva os acadêmicos financiados por suas bolsas a desenvolver ainda mais suas colaborações internacionais. Você pode saber mais sobre a FAPESP em www.fapesp.br/pt E visite a agência de notícias FAPESP em www.agencia.fapesp.br/pt Manter-se a par das últimas conquistas científicas que a FAPESP ajuda a alcançar por meio de diversos programas, prêmios e centros de pesquisa. Você também pode se inscrever na agência de notícias FAPESP em http://agencia.fapesp.br/subscribe.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *