A guerra entre Israel e o Hamas: 360 mil palestinos fugiram de Rafah durante a semana passada, segundo a agência das Nações Unidas

RAFAH (Faixa de Gaza) – Trabalhadores humanitários lutaram na segunda-feira para distribuir alimentos e outros suprimentos escassos a centenas de milhares de palestinos deslocados pelo que Israel diz ser uma operação militar limitada em Rafah, enquanto as duas principais passagens perto do sul da Cidade de Gaza permaneciam fechadas. .

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos disse que 360 ​​mil palestinos fugiram de Rafah durante a semana passada, dos 1,3 milhões que procuraram refúgio lá antes do início da operação. A maioria deles já havia fugido dos combates em outros lugares durante esse período A guerra de sete meses entre Israel e o Hamas.

Israel retratou Rafah como o último reduto do movimento, ignorando os avisos dos Estados Unidos e de outros aliados de que qualquer grande operação ali seria desastrosa para os civis. Entretanto, o Hamas reorganizou as suas fileiras As forças israelitas estão a combater em partes de Gaza que Israel bombardeou e invadiu no início da guerra.

O porta-voz adjunto das Nações Unidas, Farhan Haq, anunciou na segunda-feira que outros 100.000 palestinos foram deslocados do norte da Faixa de Gaza após recentes ordens de evacuação israelenses. Isto significa que cerca de um quinto dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza foram deslocados durante a semana passada.

Abeer Atifa, porta-voz do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas, disse que 38 camiões carregados de farinha chegaram através da passagem ocidental de Erez, que é o segundo ponto de acesso ao norte de Gaza. Israel anunciou a abertura da travessia no domingo.

Mas nenhum alimento entrou nas duas principais passagens no sul de Gaza durante a semana passada.

A passagem fronteiriça de Rafah com o Egito foi fechada desde que as forças israelenses assumiram o controle dela há uma semana. Os combates na cidade de Rafah impossibilitaram que as organizações de ajuda humanitária chegassem ao cruzamento próximo de Kerem Shalom com Israel, embora Israel diga que está a permitir a entrada de camiões de abastecimento pelo seu lado.

READ  Erdogan diz que trabalhará com Putin para desenvolver centro de gás da Turquia

Durante a semana passada, o exército israelita intensificou os bombardeamentos e outras operações em Rafah, ao mesmo tempo que ordenava aos residentes que evacuassem partes da cidade. Israel insiste que se trata de uma operação limitada focada na eliminação de túneis e outras infra-estruturas armadas ao longo da fronteira com o Egipto.

As forças israelitas também combatem militantes palestinianos nos campos de refugiados de Zaytoun e Jabalia, no norte de Gaza, áreas onde o exército lançou grandes operações no início da guerra.

Atifa disse que o Programa Alimentar Mundial está a distribuir alimentos das suas reservas restantes nas áreas de Khan Yunis, no sul, e Deir al-Balah, no norte, para onde fugiram muitos dos que fugiram de Rafah.

Dentro de Rafah, apenas duas organizações parceiras do PMA conseguiram distribuir alimentos e não havia padarias em funcionamento.

Ela acrescentou: “A maioria das operações de distribuição foram interrompidas devido a ordens de evacuação e deslocamento e ao esgotamento dos suprimentos de alimentos”.

Manifestantes israelenses pararam um comboio de ajuda humanitária que se dirigia a Gaza em um posto de controle entre a Cisjordânia ocupada e Israel. Vídeos que circularam online mostraram-nos atirando ajuda de camiões e destruindo-a. A polícia disse que várias pessoas foram presas, sem dar detalhes.

Quase todos os habitantes de Gaza dependem da ajuda humanitária para sobreviver. As restrições israelenses e os combates contínuos dificultaram os esforços humanitários, causando fome generalizada e inanição “Fome total” No norte, de acordo com as Nações Unidas

O diretor do Hospital do Kuwait, um dos últimos centros médicos em funcionamento em Rafah, disse que a equipe médica e os residentes que moram perto das instalações foram informados para evacuar o hospital. Suhaib Al-Hams alertou que qualquer evacuação do hospital teria “consequências catastróficas”.

Entretanto, a instituição de caridade internacional Oxfam alertou para um surto de doença em Gaza, na sequência de danos nas infra-estruturas de água e saneamento no valor estimado de 210 milhões de dólares, de deslocações em massa e do início do Verão.

“Os funcionários da Oxfam em Gaza descreveram pilhas de resíduos humanos e rios de esgoto nas ruas, entre os quais as pessoas tinham de saltar. Também relataram que as pessoas tinham de beber água suja e as crianças eram picadas por insectos que se acumulavam à volta dos esgotos.

A guerra começou quando o Hamas e outros militantes invadiram o sul de Israel 7 de outubroMatando cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, e fazendo outras 250 reféns. Os militantes ainda mantêm cerca de 100 prisioneiros e os restos mortais de mais de 30, depois de libertarem a maior parte do restante durante um cessar-fogo no ano passado.

O ataque israelita provocou a morte de mais de 35 mil palestinianos, a maioria deles mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que não faz distinção entre civis e combatentes no seu número. Israel diz ter matado mais de 13 mil militantes sem fornecer provas.

Israel foi distinguido Um Memorial Day particularmente triste Segunda-feira, com uma cerimônia para homenagear os soldados mortos, incluindo mais de 600 mortos desde 7 de outubro, mais da metade deles no ataque inicial. Sirenes anunciaram dois minutos de silêncio às 11h

Numa cerimónia realizada no cemitério do Monte Herzl, nos arredores de Jerusalém, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu mais uma vez derrotar o Hamas.

“Impusemos e pagaremos um alto preço ao inimigo pelas suas ações criminosas. Alcançaremos os objetivos da vitória, incluindo o retorno de todos os nossos reféns.”

READ  CBS apreende arquivos confidenciais de repórter demitido após história do laptop de Hunter Biden em algo ‘sem precedentes’

Manifestantes e manifestantes boicotaram algumas celebrações, refletindo o crescente descontentamento com os líderes de Israel que atraiu milhares de manifestantes às ruas nos últimos meses. Os críticos culpam Netanyahu pelas falhas de segurança e inteligência que permitiram a ocorrência do ataque e pelo fracasso em chegar a um acordo com o Hamas para libertar os reféns.

Meses de conversações mediadas internacionalmente sobre um cessar-fogo e a libertação de reféns aparentemente chegaram a um beco sem saída na semana passada, depois de Israel ter lançado a sua incursão em Rafah. Israel rejeitou as exigências básicas do Hamas para acabar com a guerra e retirar as suas forças da área, dizendo que isso permitiria ao grupo militante recuperar o controlo e lançar mais ataques semelhantes aos ataques de 7 de Outubro.

A administração do presidente dos EUA, Joe Biden, que forneceu apoio militar e diplomático crucial para a ofensiva geral, expressou crescente impaciência com Israel, dizendo que não fornecerá armas ofensivas para um ataque em grande escala a Rafah.

O secretário de Estado, Antony Blinken, alertou contra isso no domingo Israel pode enfrentar ‘insurgência em curso’ Se não apresentarmos um plano realista para a governação pós-guerra em Gaza. Israel rejeitou as propostas americanas Que a Autoridade Palestiniana governa Gaza com a ajuda dos países árabes porque estes planos dependem do progresso no estabelecimento de um Estado palestiniano, ao qual Netanyahu se opõe.

___

Kraus relatou de Jerusalém e Magdy relatou do Cairo. Os escritores da Associated Press Lee Keith no Cairo, Jack Jeffrey em Jerusalém e Edith Lederer nas Nações Unidas contribuíram.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *