A epidemia também anulou o carnaval em Portugal – Ora Pois – KSU

Covid-19 também cancelou as comemorações do carnaval no Atlântico. Escolas de samba, bailes e blocos – que ganharam imensa popularidade nos últimos anos graças ao aumento da imigração brasileira – não serão realizados em Portugal este ano devido ao surto.

Um mês depois, em janeiro, com aumento generalizado de novos casos e óbitos, a epidemia já dá sinais de desaceleração no país. No entanto, o bloqueio geral – e as restrições a viagens e acordos – deve durar até meados de março.

Além disso, cerimônias de múmias também foram vítimas de SARS-CoV-2. Mesmo antes de o governo anunciar as restrições, muitos organizadores de blocos de samba e escolas cancelaram voluntariamente as comemorações.

Foi o caso da associação Blocos de Lisboa, que antecipou o embargo oficial.

“O carnaval é uma expressão que valoriza a vida, o amor e o respeito pelo próximo, por isso só faz sentido quando é seguro para as pessoas”, afirmou o grupo em nota.

A organização apela aos celebrantes para que fiquem em casa, mas também chama a atenção para a necessidade de um maior apoio do governo português no sector cultural.

O responsável pelo Bué Tolo, que levou mais de 2 mil pessoas às ruas da capital portuguesa em 2020, Rio de Janeiro, Leonardo Mesquita, diz que os blocos viviam um momento de crescimento no país, e que havia um tentativa de organizar a integração final dos ralis entre os eventos oficiais da cidade.

“O movimento do Carnaval de Rua de Lisboa só está aumentando, ainda que mais e mais brasileiros cheguem aqui. Antes eram dois ou três blocos, hoje já eram 11”, enumera.

A ideia é levar felicidade a todos, com responsabilidade. Por isso, também estamos criando Liga de Blocos, para que possamos ser reconhecidos como um evento cultural e entrar no calendário oficial da cidade ”, completa.

READ  Crise de saúde no Brasil está obrigando o Santander a recuar

Tradicionais em diferentes regiões do país, as escolas de samba – inspiradas nas origens brasileiras – também não vão organizar desfiles.

No caso das associações do Distrito Central, a decisão foi tomada em setembro do ano passado. Como resultado, as escolas de samba de Ovar, Istaria, Torres Fedras, Figueira da Foz e Milhada não vão ser lançadas este ano.

Para compensar a ausência, algumas associações promovem eventos online.

Carnaval na Ilha da Madeira Foto: Francisco Correa / Visit Madeira

No arquipélago da Madeira, que acolhe o carnaval mais famoso de Portugal, a exibição das escolas de samba também foi cancelada.

Em um esforço para evitar acordos secretos, o governo regional impôs um toque de recolher a partir das 18h durante a semana de carnaval.

Ao contrário do Brasil, o Carnaval em território português não é feriado, mas era costume o governo e algumas empresas tolerarem o horário de terça-feira. Neste ano, porém, a regra não é facilitar.

Pela primeira vez desde a posse em 2015, o primeiro-ministro Antonio Costa (Partido Socialista) não vai tolerar o tempo dos governantes nesta data. As escolas também devem seguir o horário normal de aulas, embora o ensino atualmente seja feito à distância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *