Zelensky, o presidente da Ucrânia, planeja comparecer pessoalmente à cúpula do G7 no Japão


Hong Kong
CNN

Volodymyr Zelensky viajará pessoalmente ao Japão para a cerimônia cimeira do G7De acordo com funcionários familiarizados com o planejamento, ele representa uma demonstração de confiança e solidariedade do Ocidente, enquanto o líder ucraniano durante a guerra tenta manter o apoio crucial fluindo de nações aliadas.

vôo repentino – ou seja Ele será o primeiro presidente ucraniano a vir à Ásia desde então invasão de Moscou Em fevereiro passado, Kiev se prepara para uma contra-ofensiva altamente antecipada contra a Rússia e pressiona os governos parceiros por mais ajuda militar em meio a intensos ataques aéreos.

Também mostra como o ataque de Moscou ao vizinho tem ramificações muito além das fronteiras da Europa na Ásia, onde as democracias aliadas ao Ocidente estão cada vez mais alarmadas com a assertividade cada vez mais autoritária da Rússia e da China.

A guerra já está no topo da agenda da cúpula de três dias do G7, onde os líderes das democracias mais ricas do mundo devem emitir uma forte declaração de unidade em apoio à Ucrânia e Revelar novas medidas Sufocar a capacidade da Rússia de financiar e equipar sua guerra.

“Coisas muito importantes serão decididas lá”, disse Oleksey Danilov, secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, na televisão ucraniana na sexta-feira.

“Portanto, a presença física do nosso presidente é muito importante – para defender os nossos interesses, para esclarecer, para apresentar propostas claras e argumentos claros sobre os acontecimentos que ocorrem no nosso país”, disse.

Os estados membros do G7, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, são os maiores apoiadores da defesa da Ucrânia.

A presença de Zelensky na cúpula o colocará em confronto não apenas com os líderes dos países do G7, mas também com outros que foram convidados a participar.

READ  Funcionário ucraniano dá soco em representante russo na cúpula turca

A cada ano, a cúpula inclui atores geopolíticos de fora da coalizão do G7, e esta lista inclui os líderes deste ano que relutaram em apoiar totalmente Kiev contra uma invasão russa.

“A chave para a visita de Zelensky não é que ele veio para ver o G7 – ele já teve seu total apoio. A chave é ver pessoalmente os governos que foram convidados para a cúpula como participantes deste ano – Índia, Indonésia, Brasil e outros – disse Josh Lipsky, diretor sênior do Centro de Geoeconomia do Atlantic Council.

“Esses chamados países de ‘cerca’, como (a secretária do Tesouro dos EUA) Janet Yellen os chamou, você nunca os viu pessoalmente”, disse Lipsky. “Esta é uma rara oportunidade de pressionar seu caso diretamente para alguns dos países que fornecem apoio econômico chave ao continuar a negociar com a Rússia.”

No início desta semana, Zelensky completou uma viagem expressa pela Europa, apresentando uma proposta para reabastecer o arsenal militar da Ucrânia durante paradas na Itália, Alemanha, França e Reino Unido.

Foi anunciado via Telegram que Zelensky também participará da cúpula da Liga Árabe na Arábia Saudita na sexta-feira.

Sua esperada viagem do outro lado do mundo para o Japão daria a Zelensky outra oportunidade de enfatizar cara a cara seu apelo por mais apoio militar aos líderes das democracias mais ricas do mundo.

Também enviaria um sinal para uma Ucrânia confiante e bem conectada, que contrasta fortemente com o líder russo Vladimir Putin, que se tornou cada vez mais isolado e alienado nos últimos meses.

O Ministério das Relações Exteriores do Japão havia dito anteriormente que Zelensky realmente participaria da sessão de domingo do Grupo dos Sete, depois que o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, convocou a reunião no início deste ano.

READ  Presidente chinês Xi Jinping recebe recepção oficial na Sérvia

Kishida fez uma visita surpresa à Ucrânia em março, enquanto o Japão confirmou no início deste mês que estava em negociações para abrir um escritório de ligação da OTAN, o primeiro desse tipo na Ásia, argumentando que a invasão russa da Ucrânia tornou o mundo menos estável.

A semana de diplomacia frenética ocorre em meio à crescente urgência doméstica, à medida que a guerra da Rússia consome os recursos e o povo da Ucrânia em uma batalha existencial pela sobrevivência.

Ataques aéreos choveram em toda a Ucrânia na quinta-feira, e explosões foram ouvidas em áreas em todo o país, incluindo a capital, onde as autoridades estão localizadas. Rússia diz que tem Foi atingido por uma série de ataques aéreos de força e intensidade sem precedentes neste mês.

Mas as defesas antimísseis de Kiev – reforçadas por armas ocidentais cruciais – claramente alcançaram sucesso, com a força aérea da Ucrânia alegando ter derrubado 29 dos 30 mísseis de cruzeiro lançados pela Rússia na noite de quinta-feira.

A aparição de Zelensky na cúpula pode aumentar o ímpeto de seu apelo por mais desse tipo de equipamento, que Kiev diz precisar urgentemente para proteger seu povo do ataque aéreo russo e para reforçar qualquer contra-ataque.

“O que Zelensky quer do G7 é a garantia de seu apoio à guerra, e ele quer garantir que não haja fadiga”, disse Jean-Pierre Cabestan, professor emérito de ciência política da Universidade Batista de Hong Kong. O momento da viagem de Zelensky perto do início da contra-ofensiva da Ucrânia contra a Rússia foi significativo.

O líder ucraniano saudou mais Promessas de apoio militar Esse esforço – incluindo US$ 3 bilhões em ajuda militar da Alemanha – concluiu sua turnê europeia no início desta semana, mas renovou a demanda por aeronaves de combate modernas.

READ  A última atualização sobre a guerra russo-ucraniana - The Washington Post

No topo da lista da Ucrânia nos últimos meses estava Caças F-16A Grã-Bretanha disse no início desta semana que estava trabalhando com a Holanda para formar uma “coalizão internacional” para ajudar a Ucrânia a comprar os aviões e treinar pilotos para pilotá-los.

administração Biden recentemente apontou A CNN informou na quinta-feira, citando fontes familiarizadas com as discussões, que os Estados Unidos permitirão que eles exportem os aviões para a Ucrânia.

A esperada visita de Zelensky à Ásia seguirá a da primeira-dama da Ucrânia, Olena Zelenska.

Na terça-feira, Zelenska Coreia do Sul pressionou Fornecer a seu país sistemas de defesa aérea e equipamentos militares não letais durante uma reunião em Seul com o presidente Yun Seok Yul.

O alcance da Ásia ocorre quando Pequim enviou seu enviado especial à Europa esta semana para reforçar as negociações sobre o fim do conflito, enquanto a China – que não faz parte do Grupo dos Sete e mantém laços estreitos com a Rússia – tenta desempenhar um papel na intermediação da paz. .

O Ministério das Relações Exteriores da China disse na quinta-feira que Zelensky se encontrou com o enviado Li Hui no início desta semana. O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia confirmou no início daquele dia que Li havia se encontrado com o ministro das Relações Exteriores Dmytro Kuleba e discutido “maneiras de impedir a agressão russa”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *