WhatsApp vai modificar regras de privacidade no Brasil

Após meses de negociações com as autoridades, o WhatsApp se comprometeu a ajustar sua política de privacidade no Brasil, implementando práticas de transparência alinhadas às regras vigentes na União Europeia.

O compromisso do aplicativo de mensagens segue esforços conjuntos liderados pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), o órgão antitruste Cade, a autoridade nacional do consumidor Senacon e o Ministério Público Federal. As autoridades têm trabalhado com a plataforma para garantir que a proteção de dados e os direitos do consumidor sejam respeitados no Brasil, no contexto das regras de privacidade atualizadas do aplicativo lançadas globalmente em maio.

O primeiro resultado das discussões que os quatro órgãos governamentais tiveram com o WhatsApp e das recomendações feitas pelas autoridades foi o acordo para suspender o prazo de aceitação dos novos termos por um período de 90 dias. A empresa de propriedade do Facebook também disse que não suspenderia ou excluiria contas durante esse período – a empresa posteriormente estendeu essa promessa, dizendo que os usuários que não aceitarem os termos não terão suas contas excluídas.

Três meses após as recomendações feitas pelas autoridades brasileiras, o WhatsApp assumiu o compromisso de cumprir vários pontos da recomendação e nota técnica da ANPD, além de detalhes técnicos sobre como implementar as medidas. Segundo a Agência de Proteção de Dados, a primeira rodada de negociações incluiu medidas sobre o cumprimento de pontos relacionados à transparência e acesso dos usuários.

Avaliações técnicas adicionais da autoridade de proteção de dados levaram a novos compromissos do WhatsApp, em áreas como a alteração do aviso de privacidade do Brasil. Isso reflete as práticas de transparência em vigor em outras jurisdições, como a União Europeia, onde os usuários podem optar por não participar da nova política de privacidade sob o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR). O Brasil tem sua própria versão do Regulamento Geral de Proteção de Dados, que foi introduzido em setembro de 2020.

READ  Discover + será lançado no Brasil

Além disso, os compromissos incluíram a atualização dos termos de uso do WhatsApp Business, a elaboração de relatórios e outros documentos solicitados pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados, bem como a criação de materiais educativos sobre o uso seguro do aplicativo pelos usuários.

De acordo com a ANPD, o WhatsApp fornecerá às autoridades brasileiras evidências dos novos desenvolvimentos, que são tecnicamente complexos, até 31 de agosto. Em seguida, haverá uma reunião entre a empresa e os quatro órgãos governamentais envolvidos nas negociações, quando serão analisadas e definidos os próximos passos.

chamá-lo ZDNetGenericNameO WhatsApp disse em comunicado que vê uma “oportunidade de esclarecer informações” sobre os termos de privacidade atualizados como um desenvolvimento positivo.

“A empresa está reforçando sua disponibilidade para cooperar com as autoridades brasileiras e continuará fornecendo as informações necessárias tanto para as autoridades quanto para seus usuários”, acrescentou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.