Walmart Brasil vai abandonar o e-commerce e focar em tijolos e argamassa

São Paulo (Reuters) – O Walmart Brasil Inc. encerrará suas operações de e-commerce no maior mercado de varejo da América Latina para se concentrar em lojas físicas e converter supermercados de baixo desempenho em lojas de atacado.

FOTO DO ARQUIVO: Entrada principal de uma loja do Wal-Mart em São Paulo, Brasil, 14 de fevereiro de 2018. REUTERS / Paulo Whitaker

O comércio atacadista está se tornando cada vez mais comum no Brasil à medida que o país lentamente sai de uma recessão severa.

“A empresa está trabalhando em uma nova estratégia de canal ponta a ponta que será anunciada posteriormente”, disse o Walmart Brasil em comunicado na sexta-feira, sem dar detalhes. O jornal Valor Econômico foi o primeiro a divulgar a decisão.

A mudança provavelmente abrirá espaço para varejistas locais e internacionais que atualmente estão focados na exploração do comércio eletrônico primário no Brasil.

A decisão do Walmart limita anos de esforços que nunca realmente decolaram. Ele antecede o tão esperado lançamento do centro de atendimento da Amazon, que permitirá a venda direta aos consumidores no Brasil.

Parte das lutas do Walmart tem a ver com a acirrada competição de players locais do setor de e-commerce, como B2W, Via Varejo e Magazine Luiza SA.

O Walmart lançou sua divisão de e-commerce no Brasil em 2011, vendendo diretamente aos consumidores. Mas em 2017, o varejista parou de vendas diretas e se concentrou exclusivamente em operar como um mercado para vendedores terceiros, que foi lançado em 2015.

O Walmart nunca revelou o quanto as vendas online contribuíram para sua primeira aparição no Brasil.

Em meados de 2018, a adquirente Advent International adquiriu 80% do capital da operação brasileira e está inaugurando uma renovação em larga escala.

READ  Brasil tem aumento de 4% no número de homicídios nos primeiros nove meses do ano Monitor de violência

A essa altura, o departamento de e-commerce já estava em declínio.

Como parte da decisão de sair do comércio eletrônico, a empresa dispensou 70 de seus 90 funcionários que trabalhavam na plataforma de mercado, com os 20 funcionários restantes inteiramente dedicados ao gerenciamento de pedidos em andamento.

A decisão do Walmart pode ser um grande avanço para seus concorrentes.

Paula Cardoso, CEO do Carrefour eBusiness Brasil, disse a repórteres nesta sexta-feira em uma chamada para discutir os resultados trimestrais.

Em comunicado à parte, o Walmart Brasil disse que planeja converter 10 hipermercados de baixo desempenho em lojas de atacado Maxi Atacado até o final de 2020. A primeira loja foi inaugurada em 9 de maio em Diadema, perto de São Paulo.

A empresa disse que outros 10 hipermercados serão convertidos em lojas Sam’s Club.

(Reportagem de Gabriella Melo) Edição de Nick Szyminski

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *