ver | Há perigo pairando sobre o Brasil

Mas o problema remonta muito mais longe, ao estabelecimento do próprio estado. A República, afinal, foi instaurada por um golpe militar em 1889. “Oficiais do Exército”, como o eminente advogado brasileiro Heráclito Sobral Pinto Certa vez, ele disse: “Nunca aceitei que você não fosse o dono da República”. Nos 130 anos desde então, os militares pairaram sobre o Brasil – como escreve o cientista político Adam Przeworski, referindo-se às democracias atormentadas por exércitos arrogantes – “como sombras ameaçadoras, prontas para cair sobre qualquer um que for longe demais para minar seus valores e interesses .”

E esses interesses são grandes. Sem guerra à vista, o Brasil tem 15 anos mais velho Um exército permanente no mundo, com uma força de 351.000 efetivos, 167.000 oficiais inativos e 233.400 aposentados, de acordo com portal da transparência. Em termos de salários, o governo federal gaste mais Mais na defesa do que na educação – e quase cinco vezes mais na saúde. (A propósito, o país tem um enorme sistema público de saúde) orçamento projetado Do Departamento de Defesa deste ano, US$ 23 bilhões, 77% dos quais são para pagar funcionários.

Oficiais militares desfrutam de muitos privilégios, com seus próprios sistemas de educação, moradia, saúde e até mesmo justiça criminal. Eles foram poupados, visivelmente, da recente reforma previdenciária do Brasil. Para sua sorte: em 2019, o salário médio de um militar aposentado era mais de seis vezes Que um civil aposentado.

Não apenas os militares se beneficiam dessa generosidade, mas também suas famílias. Por exemplo, 137.900 meninas solteiras Dos militares que receberão pensão do pai pelo resto da vida – lista que inclui duas filhas do coronel. Carlos Alberto Brilhant OstraQue foi acusado de torturar centenas de pessoas e se aposentou com o posto de Marechal de Campo.

READ  O brasileiro constrói uma enorme biblioteca de manuscritos

Depois que Bolsonaro se tornou presidente em 2019, os militares invadiram a administração civil. em 2020, 6157 oficiais militares – Metade deles está na ativa – Eles trabalhavam para o governo federal, mais que o dobro de 2018. Em determinado momento, 11 dos 26 ministros No governo de Bolsonaro estiveram atuais ou ex-funcionários, incluindo o ministro da Saúde durante a maior parte da pandemia, general Eduardo Pazuelo, que ainda não foi responsabilizado por seus crimes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *