Venum Brasil quer desistir, UFC diz que não tem direitos no país

O novo acordo de roupas do UFC começou na quinta-feira, com o fim da era Reebok e o início da era Venum. Mas, de acordo com um dos homens, este último ainda não encontrou nenhum obstáculo no que diz respeito ao Brasil.

O empresário brasileiro André Vieira era co-proprietário da Venum antes de a empresa se dividir em duas entidades separadas em 4 de janeiro de 2016. Ele agora possui os direitos da marca em seu país de origem, enquanto Frank Dupuy, seu ex-sócio, é o CEO responsável pela Venum’s operações de negócios globais.

O UFC descreveu o Venum como seu “Parceiro Global Exclusivo de Fit and Apparel” em julho de 2020. O primeiro card equipado com Venum está programado para acontecer no UFC Vegas 23 em 10 de abril em Las Vegas.

Mas Vieira disse que se a campanha promocional quisesse fazer negócios no Brasil, sua empresa teria que ser incluída. Ele disse que entrou em contato com a Endeavor, empresa controladora do UFC, assim que o negócio foi anunciado e foi informado de que a empresa não tinha conhecimento da existência de duas empresas Venum.

Vieira disse ao MMA Fighting: “Liguei para eles e disse que estou aberto a negociações e que não estou aqui para ser um problema”. “Muito pelo contrário, estou aqui para somar e fazer parte do negócio, e até agora não obtive retorno [call]. “

Um dirigente do UFC disse ao MMA Fighting que a organização está analisando o assunto e recusou comentários adicionais.

O Brasil tem sido um dos maiores mercados para o UFC por mais de uma década, produzindo campeões e estrelas em várias categorias de peso, além de promover inúmeros eventos esgotados. Outro evento de promoção pré-pandêmica ocorreu em uma praça vazia em Brasília, Brasil.

READ  EDP ​​Brasil assina acordo para aquisição da AES Inova

Vieira disse que a parceria do UFC com a Venum não permite promover a venda de mercadorias ou fazer com que os atletas usem o novo uniforme de combate durante eventos no Brasil. Ele disse que não tem intenção de escalar o assunto ainda, mas que pode fazê-lo se a promoção se recusar a responder.

Venum já havia ido ao tribunal para se defender contra reclamações de outros fabricantes de roupas. Em 2014, A gigante do vestuário Nike entrou com um processo contra Phenom Por abuso de marca registrada, a alegação de que o nome da empresa MMA era muito próximo da marca Venom que ela havia criado seis anos antes para a marca Venum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *