Um parente do rei Abdullah II, um ex-assessor sênior, foi preso em conexão com uma suposta conspiração de golpe

O ex-príncipe herdeiro da Jordânia foi convidado a “interromper alguns movimentos e atividades”, disse o general do país no sábado, quando outros membros da família real foram presos em uma operação de varredura que teria frustrado um plano de golpe contra o rei Abdullah II da Jordânia.

O general Yusef Al-Huneiti, chefe do Estado-Maior do Exército, negou a alegada prisão do príncipe Hamzah bin Hussein, 41 – o meio-irmão do rei – junto com quase 20 outros que foram presos por “razões de segurança”.

No entanto, o príncipe foi convidado a ficar em seu palácio em Amã e não usar as redes sociais.

Honetti disse que a investigação ainda está em andamento e seus resultados serão anunciados “de maneira transparente e clara”.

Entre os detidos estavam Sharif Hassan bin Zaid, um membro da família real, e Basem Awad Allah, que foi educado nos Estados Unidos e é um confidente de longa data do rei, que ocupou o cargo de Ministro do Planejamento e Finanças.

“Ninguém está acima da lei e a segurança e estabilidade da Jordânia estão acima de tudo”, disse Al-Hunaiti à agência oficial de notícias Petra.

Os detalhes da trama são poucos, mas a prisão de altos funcionários e membros da família real é rara na Jordânia, um importante aliado dos EUA espremido entre Israel, os territórios palestinos, a Síria, o Iraque e a Arábia Saudita.

Cerca de 3.000 soldados estão estacionados na Base Aérea Muwafaq Al Salti, que é uma importante área de preparação para a luta contra o ISIS. Os Estados Unidos fornecem cerca de US $ 425 milhões em ajuda militar à Jordânia todos os anos.

Awadallah, que renunciou ao cargo de chefe da corte real em 2008, tem desempenhado um papel importante nas reformas econômicas.

A poderosa agência de inteligência de Jordan tem uma influência penetrante na vida pública, com esse papel crescendo no ano passado em meio a leis de emergência criadas no início da pandemia do coronavírus. Grupos cívicos dizem que essas autoridades violam direitos civis e políticos.

Com fios de correio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *