Última atualização: Ministro da Economia do Brasil busca acalmar mercados financeiros após semana volátil

As vendas no varejo caíram inesperadamente pelo quinto mês consecutivo, impulsionadas por uma queda acentuada nas lojas de móveis.

O volume de vendas no varejo mensal da Grã-Bretanha caiu 0,2 por cento em setembro em comparação com agosto passado, o Office for National Statistics disse na sexta-feira, perdendo as expectativas de uma expansão de 0,5 por cento em uma pesquisa da Reuters.

“Tendo aproveitado a recuperação pós-pandemia na maior parte do ano, setembro foi um mês ainda mais difícil para os varejistas, pois os compradores apertaram o cinto em meio a conversas sobre a crise do custo de vida”, disse Linda Petherick, chefe de varejo da Accenture UKI.

As vendas em lojas de artigos domésticos, como lojas de móveis e iluminação, caíram 9,3% em setembro. Eles foram o “principal impulsionador” do declínio, enquanto as vendas de alimentos se recuperaram, disse Darren Morgan, diretor do Bureau de Estatísticas Econômicas do Office for National Statistics.

Em contraste, os volumes de vendas de combustível automotivo aumentaram 2,9%, refletindo a forte demanda, já que a crise de combustível gerou pânico na compra na bomba, empurrando as vendas de gasolina acima do nível pré-pandemia pela primeira vez.

Em comparação com fevereiro de 2020, antes das primeiras restrições, as vendas aumentaram 4,2 por cento.

Apesar do relaxamento das restrições da Covid-19 durante o verão, as vendas no varejo nas lojas permanecem baixas, e a proporção das vendas no varejo online aumentou para 28 por cento em setembro, bem acima de 19,7 por cento em fevereiro de 2020 antes da pandemia, indicando alguma mudança perpétua em direção gastos online.

READ  Brasil confirma casos de vacas loucas; Parada da exportação de carne bovina da China | Notícias de negócios e economia

Dados separados da empresa de pesquisa GfK na sexta-feira mostraram que a escassez de combustível, o aumento dos preços da gasolina e o aumento dos ferimentos diminuíram o sentimento do consumidor em outubro, o que junto com as decepcionantes vendas no varejo levantaram preocupações sobre uma recuperação nos gastos do consumidor no Reino Unido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *