Tribunal brasileiro julga parcialidade do juiz da lavagem de carros no caso Lula Business

O Supremo Tribunal Federal decidiu na terça-feira que o ex-juiz Sergio Moro foi tendencioso na forma como supervisionou o julgamento por corrupção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, proporcionando a absolvição do líder de esquerda que há muito reclama perseguição política.

A decisão obscurece a reputação de Morrow e a investigação abrangente sobre a corrupção do lava-rápido que ele presidiu por anos. Centenas de empresários e líderes políticos antes considerados impunemente foram condenados à morte e se tornaram uma das figuras públicas mais famosas do Brasil. Alguns o aclamaram como um herói, enquanto outros o acusaram de ser um fanático.

“Neste caso, o que está sendo discutido é fundamental para mim: todos têm direito a um julgamento justo, ao devido processo e à imparcialidade do juiz”, disse a juíza Carmen Lúcia, que deu o desempate.

Cartas vazadas publicadas pelo The Intercept Brasil em 2019 mostraram um aparente conluio entre promotores em Moro e Lava Jato durante a operação que acabou levando Lula a ser preso por corrupção e lavagem de dinheiro. Sua condenação em apelação levou à sua marginalização da eleição presidencial de 2018, sob as regras da lei da “tábula limpa” do Brasil, e o parlamentar marginal Jair Bolsonaro teve permissão para vencer. Morrow logo se tornou Ministro da Justiça de Bolsonaro.

A decisão de terça-feira veio na esteira de uma decisão separada do juiz Edson Fashin em 8 de março para anular a condenação de Lula, sob o fundamento de que ele foi julgado em um tribunal sem jurisdição adequada, e para demonstrar que ele poderia ser julgado novamente em um tribunal federal na capital, Brasília.

Os advogados de Da Silva, Cristiano Zanin Martins e Valesca Martins, disseram em comunicado que a decisão foi “histórica e revigorante”.

READ  MERCADOS EMERGENTES - Empresa Latam FX; A ação da Pemex coloca a classificação de crédito do México em destaque

E disseram: “Provamos que o Moro nunca atuou como juiz, mas sim como adversário pessoal e político do ex-presidente Lula”. Da Silva é conhecido internacionalmente como Lula no Brasil. Sofremos todos os tipos de violações de lavagem de carro, algumas das quais estão descritas no veredicto que reconheceu o preconceito do juiz anterior, como vigilância ilegal de nossos telefones para que os investigadores pudessem seguir a estratégia de defesa em tempo real. “

Embora a decisão do início deste mês tenha pavimentado o caminho para que Lula confrontasse Bolsonaro na eleição de 2022, os especialistas jurídicos também a interpretaram como uma forma de evitar julgar as acusações de parcialidade de Moro, preservando assim as condenações e a credibilidade do lava-rápido. Outro juiz chamado Para votar na ordem pendente de qualquer maneira.

Com a decisão de 3 a 2 na terça-feira, os juízes impediram que as evidências coletadas em uma investigação de lavagem de carros sobre a suposta propriedade de Lula sobre o trio na cidade litorânea de Guaruga as usassem em qualquer julgamento final. Os juízes ainda não decidiram se as provas recolhidas anteriormente poderiam ser usadas para repetir outra condenação da Silva, ou em dois outros casos criminais não resolvidos.

Michael Mahalim, coordenador do Centro de Justiça de Getúlio Vargas, disse que a decisão devolve à estaca zero quaisquer medidas de corrupção contra Lula e fortalece sua candidatura para 2022. Mas também oferece um raio de esperança para outros que foram presos.

“Do contrário, ele poderia dizer que foi perseguido por um juiz que queria condená-lo.” Mahalim acrescentou: “Quanto à campanha política, isso é muito importante”. para anular suas sentenças. O veredicto abre essa discussão. “

READ  Um estudo mostra que o desemprego na Índia em 2020 está em seu pior nível em 29 anos

–AP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *