Tribunais em Portugal ‘libertam os cidadãos do confinamento forçado devido à Covid’

Esta é uma das manchetes desta manhã no Diário de Notícias, explicando como os tribunais estão retirando autoridades das medidas draconianas de combate à Covid-19.

A questão é “legitimidade”. Agora que o país saiu do estado de emergência vigente no último inverno, os direitos e liberdades consagrados na constituição portuguesa foram efetivamente restaurados.

Assim, as restrições à liberdade das pessoas podem ser desafiadas – e é exatamente isso o que está acontecendo.

O jornal diz: “Os pedidos de habeas corpus estão aumentando para evitar o cumprimento do isolamento protetor. Os médicos da saúde pública se sentem desautorizados e estão pedindo ao governo que esclareça a lei. O chefe do sindicato dos juízes concorda e diz que deveria ter sido feito há muito tempo atrás…”

As “fontes” entrevistadas para o artigo explicam: “Alguns juízes consideram a suspensão de direitos básicos, como a liberdade, algo que não pode ser ordenado por decreto governamental, como no caso de um desastre, mas apenas pela lei da república conforme estabelecido no quadro constitucional “.

Essas fontes (médicos de saúde pública) admitem que as pessoas que receberam ordem de isolamento preventivo sempre “não estão doentes. Ou bastante assintomáticas naquele momento”.

No entanto, eles argumentam, eles “apresentam um risco porque podem incubar (Covid-19) e colocar outras pessoas em risco.”

No entanto, os tribunais têm analisado os casos que lhes são apresentados de forma diferente.

As intimações agora não estão apenas sendo feitas por pessoas que viajaram (e pediram para se isolar), mas elas vêm de pessoas que enfrentam o isolamento, tanto no contexto de trabalho quanto no social.

Eles vêm de todas as partes do país, diz DN, mas principalmente de cidadãos de “grandes áreas urbanas”.

Uma “fonte” (“anonimato solicitado”) disse: “Existem alguns tribunais onde essas decisões (para libertar as pessoas das algemas) são repetidas, dando-nos a impressão de que há legisladores insatisfeitos com a forma como o processo foi enquadrado. legal e deseja assegurar que sua interpretação e posição prevaleçam …

READ  De Portugal a Nova York, os esforços da Montana Southern Commuter Rail chamam a atenção ~ Missoula Stream

“Para nós, é importante que a justiça olhe para a realidade e veja por que estamos tomando essas decisões. Da mesma forma, sentimos que o governo deveria realmente ter feito algo a respeito.”

Coincidentemente, este artigo foi publicado em um momento em que a ministra da Saúde, Marta Temido, disse a repórteres que o retorno ao estado de emergência não poderia ser descartado.

A polémica parece voar face às mensagens do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que se dera ao trabalho de dizer que não havia absolutamente razão para regressar ao estado de emergência, quanto ao número de mortos e as hospitalizações dispararam. Simplesmente não garanta isso.

No entanto, o estado de emergência irá garantir que os direitos e liberdades individuais sejam novamente infringidos.

Por enquanto, o artigo do DN continua o mesmo: um alerta da classe médica.

Muito se fala em seu “sentimento crescente de não estar autorizado”.

“Qual é o nosso papel?” Alguém perguntou. “Nosso mandato como órgãos estaduais de saúde foi revogado e é importante entender como podemos e devemos agir porque as normas da DGS (Diretoria de Saúde) e as decisões do gabinete continuam surgindo, mas os tribunais interpretam de outra forma . ”

A essência do artigo parece indicar que os tribunais estão agindo de forma contrária aos esforços e desejo das autoridades de “proteger a saúde da nação e do país como um todo”.

As fontes, sempre anônimas, “advogam” que “algo deve ser feito porque o sistema jurídico em que se baseiam nossas decisões não pode ser questionado”.

No contexto mais amplo, o artigo surgiu quando o primeiro-ministro Antonio Costa atribuiu a “disseminação do vírus” a “aglomerações clandestinas e não classificadas” e ao “comportamento irresponsável” das pessoas.

Surge também com a transmissão ao vivo da SIC TV de manifestações massivas em Albufeira, Algarve, ontem à noite, em flagrante violação do toque de recolher em vigor, dado que o concelho é um dos nove na zona com elevado número de casos.

[email protected]

READ  Antevisão internacional: Gadi Kinda e Israel visitam Portugal na quarta-feira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *