Trabalhar 55 horas por semana aumenta o risco de morte: Nações Unidas

Um estudo conduzido pelas Nações Unidas na segunda-feira mostrou que trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de morrer de doenças cardíacas e derrames.

O relatório da Organização Mundial da Saúde das Nações Unidas e agências da OIT surge no momento em que a pandemia de Covid-19 acelera mudanças no local de trabalho que podem aumentar a tendência de trabalhar mais horas.

O estudo, publicado na Environment International, é a primeira análise global dos riscos à vida e à saúde associados a longas horas de trabalho.

Concentrando-se no período que antecedeu a pandemia, os autores reuniram dados de dezenas de estudos envolvendo centenas de milhares de participantes.

“Trabalhar 55 horas ou mais por semana representa um sério risco para a saúde”, disse Maria Neira, Diretora do Departamento de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da Organização Mundial de Saúde.

“É hora de todos nós – governos, empregadores e funcionários – acordarmos para o fato de que longas horas de trabalho podem levar à morte prematura.”

O estudo concluiu que trabalhar 55 horas ou mais por semana estava associado a um aumento de 35 por cento no risco de acidente vascular cerebral e um aumento de 17 por cento no risco de morrer de doença cardíaca isquêmica, em comparação com trabalhar 35 a 40 horas.

– maior entre os homens –

A Organização Mundial da Saúde e a Organização Internacional do Trabalho estimou que, em 2016, 398.000 pessoas morreram de derrame e 347.000 de doenças cardíacas após trabalharem pelo menos 55 horas por semana.

Entre 2000 e 2016, o número de mortes por doenças cardíacas associadas a longas horas de trabalho aumentou 42 por cento, enquanto o número de acidentes vasculares cerebrais aumentou 19 por cento.

READ  Eleições no Peru: as acusações de fraude de Fujimori são criticadas enquanto a vantagem do rival aumenta | Peru

A maioria das mortes registradas ocorreu em pessoas com idades entre 60 e 79 anos, que trabalharam 55 horas ou mais por semana quando tinham entre 45 e 74 anos.

A Organização Mundial de Saúde disse: “Sabendo que as longas horas são responsáveis ​​por cerca de um terço da carga total de doenças relacionadas ao trabalho, foi identificado como um fator de risco com a maior carga de doenças ocupacionais.”

Frank Biga, um oficial técnico da divisão Nera da OMS, disse que o estudo não encontrou nenhuma diferença nos efeitos de trabalhar longas horas em homens e mulheres.

No entanto, o fardo da doença é particularmente alto entre os homens – que respondem por 72 por cento das mortes – porque eles representam uma grande proporção dos trabalhadores em todo o mundo, então a exposição “é maior entre os homens”, disse Bega a repórteres.

Biga acrescentou que a proporção também é maior entre as pessoas que vivem nas regiões do Pacífico Ocidental e do Sudeste Asiático, onde há mais trabalhadores do setor informal que podem ser forçados a trabalhar por longos dias.

– ‘Não vale o risco’ –

A Organização Mundial da Saúde está preocupada com essa tendência, pois o número de pessoas que trabalham longas horas está aumentando. Atualmente é responsável por nove por cento da população total do mundo.

A organização também disse que a crise do coronavírus está acelerando os desenvolvimentos que podem alimentar a tendência de mais horas de trabalho.

“A pandemia Covid-19 mudou dramaticamente a maneira como tantas pessoas trabalham”, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“O teletrabalho se tornou a norma em muitos setores, muitas vezes confundindo os limites entre casa e trabalho. Além disso, muitas empresas tiveram que reduzir ou interromper as operações para economizar dinheiro, e as pessoas que permanecem na folha de pagamento acabam trabalhando por mais horas.

READ  Sri Lanka se prepara para derramamento de óleo de navio cargueiro naufragado

“Nenhum trabalho merece o risco de derrame ou doença cardíaca. Governos, empregadores e trabalhadores precisam trabalhar juntos para chegar a um acordo sobre limites para proteger a saúde dos trabalhadores.”

Citando um estudo do Departamento Nacional de Pesquisa Econômica dos Estados Unidos, conduzido em 15 países, Biga disse: “Quando os países entram no bloqueio nacional, o número de horas trabalhadas aumenta em cerca de 10 por cento.”

Ele disse que trabalhar em casa, combinado com a digitalização cada vez maior dos processos de trabalho, está dificultando a desconexão e recomenda um agendamento mais estrito dos intervalos e do tempo pessoal.

Biga disse que a pandemia também aumentou a insegurança no emprego, o que, em tempos de crise, tende a forçar aqueles que mantiveram seus empregos a trabalhar mais para se estabelecerem em um mercado mais competitivo.

apo / rjm / vog / jv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *