Técnico de Portugal, Carlos Queiroz, responde a perguntas sobre por que levou o Irã à Copa do Mundo | noticias do mundo

Levando o Irã à sua terceira Copa do Mundo, Carlos Queiroz não se surpreendeu ao se deparar com questões politicamente carregadas.

Principalmente quando o técnico português só voltou ao cargo em setembro e protestos eclodiram em todo o Irã antes que ele conseguisse uma partida novamente.

As eliminatórias da Copa do Mundo de setembro viram jogadores cobrirem a braçadeira da seleção nacional, e alguns falaram em apoio ao movimento de protesto desencadeado pela morte do jogador sob custódia. Mahsa Amini.

O jovem de 22 anos morreu após ser detido pela polícia de moralidade por aparentemente não aderir ao estrito código de vestimenta islâmico do país.

As manifestações anti-regime são vistas como o maior desafio desde a Revolução Islâmica de 1979.

Assim, a seleção iraniana fez uma curta viagem ao Catar para a primeira Copa do Mundo no Oriente Médio, seguida de perguntas sobre se a plataforma seria usada para mostrar dissidência contra o regime.

Antes da partida de abertura do Irã contra a Inglaterra na segunda-feira, Queiroz disse que “todos têm o direito de se expressar” se seguirem os regulamentos da Fifa.

“Vocês ficam de joelhos nos jogos”, acrescentou, referindo-se aos jogadores que fazem campanha contra a injustiça racial na Inglaterra. “Algumas pessoas concordam, outras não, e o Irã é exatamente o mesmo.”

As ex-estrelas do futebol iraniano Ali Daei e Javad Nekounam rejeitaram os convites da FIFA para participar da Copa do Mundo em solidariedade aos manifestantes.

Consulte Mais informação:
Reino Unido sanciona polícia de moralidade do Irã após morte de Mohsa Amini
Um alto funcionário iraniano é o primeiro a criticar publicamente a campanha do regime para usar o hijab
Crescem as preocupações com a atleta iraniana que competiu sem lenço na cabeça em evento internacional

READ  Uma dose de reforço é recomendada para maiores de 40 anos

A violenta repressão deixou mais de 300 mortos e 14.825 presos, de acordo com um grupo de monitoramento.

A opressão às mulheres afeta diretamente o futebol, com acesso apenas limitado aos estádios – questão que a FIFA levantou nos últimos anos.

Um assessor de imprensa da equipe já havia tentado interromper a entrevista coletiva quando a Sky News perguntou a Kairouz se ele se sentia confortável em representar uma nação que suprimia os direitos das mulheres.

Queiroz respondeu: Quanto você me paga para responder a esta pergunta? Quanto você pagaria?

“Fale com seu chefe e no final da Copa do Mundo posso te dar a resposta se você me der uma boa oferta.”

Queiroz procurou desviar a atenção para questões na Grã-Bretanha.

“Pense no que aconteceu no seu país em termos de imigração”, disse ele, saindo da sala para seguir para o campo de treinamento.

Depois de jogar contra a Inglaterra na abertura da fase de grupos da Copa do Mundo, o Irã enfrenta o País de Gales e os Estados Unidos – país com o qual o regime não mantém relações diplomáticas há mais de quatro décadas.

O Irã está competindo no torneio depois que a Fifa rejeitou pedidos para banir o time que fornece armas para a Rússia em meio à guerra na Ucrânia.

A Rússia, anfitriã da Copa do Mundo de 2018, foi banida do evento no Qatar por lançar uma invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.