Supermercados derrubam carne brasileira por causa do desmatamento – Bureau of Investigative Journalism (en-GB)

No caso da Sainsbury, os pesquisadores encontraram à venda carne bovina que havia sido processada no frigorífico da JBS em Lins, no interior de São Paulo. Segundo a Repórter Brasil, o frigorífico recebia gado de uma fazenda que engordava rebanhos de outras fazendas distantes. Essas fazendas remotas foram formalmente sancionadas – “proibidas” – por desmatamento ilegal na Amazônia.

A proibição é imposta às fazendas por violações ambientais, como extração ilegal de madeira ou extração de madeira, e atua como uma sanção e uma medida preventiva para permitir que as terras sejam restauradas.

Em nota, um porta-voz da Sainsbury disse: “A ligação entre a pecuária e a destruição de ecossistemas como a Amazônia, o Cerrado e o Pantanal é uma questão complexa e levamos isso muito a sério. fornecedores e a indústria em geral para tentar resolver isso, mas não houve progresso suficiente.

“Portanto, estamos comprometidos em transferir a origem de nossa carne bovina de marca para fora do Brasil.” O supermercado disse que isso garantiria que a carne enlatada fosse “livre de desmatamento”.

A JBS é uma das maiores empresas de carnes do mundo, com faturamento anual de US $ 50 bilhões. Quase 35.000 cabeças de gado são abatidas diariamente somente no Brasil, e suas exportações de carne bovina para a Europa continental aumentaram em um quinto nos últimos anos.

Como outros grandes produtores de carne bovina, a empresa diz que tem uma abordagem de “tolerância zero” ao desmatamento ilegal e introduziu sistemas sofisticados de monitoramento para seus fornecedores diretos na Amazônia. No entanto, ela insistiu repetidamente que é impossível monitorar seus fornecedores indiretos porque não há registros disponíveis ao público de movimentação de gado entre as fazendas.

READ  Uma porta-voz disse que Biden não suspenderá as restrições de viagens para a Europa e o Brasil, apesar das ordens de Trump

A JBS disse: “Fizemos grandes investimentos em uma nova plataforma habilitada para blockchain para superar esse desafio”. [of monitoring indirect suppliers] e alcançar uma cadeia de abastecimento completamente livre de desmatamento ilegal até 2025. ”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *