Stargazers afluem para o evento “astroturismo” em Évora, Portugal

A primeira conferência internacional de turismo astronómico realiza-se na Universidade Portuguesa de Évora. Tem como objetivo promover o turismo sustentável para pessoas que querem apenas olhar para as estrelas.

O evento foi organizado pela Starlight Foundation, que promove a preservação do céu noturno e o acesso à luz das estrelas para entidades como as Nações Unidas.

Antonia Valera, pesquisadora do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias, disse: “Percebemos que o céu não é só para cientistas, proteger o céu protege a biodiversidade, a flora e a fauna.

“Protege nossa saúde porque também somos criaturas que vivemos neste planeta. Protegendo a natureza e o meio ambiente, estamos incorporando paisagens que esquecemos. Portanto, um planeta sustentável depende da preservação e preservação do céu noturno”.

Starlight nasceu com a “Declaração em Defesa do Céu Noturno e do Direito à Luz das Estrelas” (2007), na qual um consórcio de organizações, incluindo a UNESCO, concordou em promover a divulgação da astronomia e do turismo sustentável de alta qualidade em lugares onde a noite passa Lugar, colocar. O céu está visível.

Um dos principais locais para os astrônomos é o Observatório Astronômico do Lago Alquiva em Montsaraz, Portugal.

Trouxeram-nos os seus próprios telescópios, instalaram-nos connosco e os operaram à distância das suas casas ”, disse Cristina Fabo Indurain, do complexo turístico astronómico de Entre Encinas y Estrellas, na Extremadura, Espanha.

Juan Antonio Belmonte, astrônomo do Instituto de Astronomia das Ilhas Canárias que pesquisa as tradições astronômicas de culturas antigas, disse à Euronews: “O Instituto de Astronomia de Canária criou a Lei de Proteção do Céu há várias décadas, que requer um certo tipo de iluminação e lâmpadas. O tráfego aéreo é limitado e há uma rede cheia de proteção. “

READ  Liam Cook: O inglês treina a seleção brasileira de críquete feminino

Susanna Malone, CEO da Agência de Redução da Poluição da Lumínica Ambiental Light, destacou a importância da implementação de planos para iluminar o céu noturno. “Assim como sabemos que ruído é poluição, também temos que levar em conta que a iluminação excessiva também pode causar poluição ambiental além da perda de estrelas”, disse ela.

Fernando Ruiz, monge Mercedari e observador do Starlight, disse que, do seu ponto de vista, olhar para o céu noturno era uma experiência espiritual. “Essas experiências nos mudam”, disse ele. “Eles nos fazem entender a escala de quem somos e a escala de nossos problemas.”

Acredita-se agora que até 40 por cento dos turistas viajam para destinos Dark Sky especificamente para observar as estrelas. A Conferência Internacional de Turismo Astronômico foi inicialmente agendada para junho de 2021, mas foi adiada para 8-11 de setembro de 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *