Sol, Mar e Sardinhas – Residente em Portugal

As típicas sardinhas portuguesas são um deleite de verão imperdível no Algarve

Excelente clima, viagens à praia, pores do sol de sonho … tudo vem à mente quando se pensa no verão algarvio. Porém, para os portugueses, o verão não é só época de turismo, é época da sardinha! A história da sardinha em Portugal é tão rica quanto o seu sabor.

As sardinhas são famosas em todo o mundo por serem amplamente disponíveis, uma grande fonte de proteína e extremamente versátil.

Hoje em dia, o aroma distinto de sardinhas grelhadas é nostálgico para a maioria das pessoas enquanto você vagueia pelas ruas das vilas de praia portuguesas. Alguns podem imaginar uma travessa de prata cheia de peixes perfeitamente grelhados com salada, algumas batatas cozidas e um copo de vinho branco claro para o emparelhamento.

No entanto, a versão mais comum pode ser considerada menos romântica, mas vem em uma lata. Mais do que a cultura do café e os restaurantes da hora do almoço, as preservadas tradições portuguesas de frutos do mar estão profundamente enraizadas na história deste belo país.

Esta maravilha do Mediterrâneo foi descoberta em Portugal na época dos romanos, mas os franceses foram os primeiros a colocá-la no mapa com o seu método revolucionário de enlatamento. Em 1880, empresários franceses partiram para Setúbal e abriram a primeira fábrica de sardinha para superar a escassez de sardinha na costa da Bretanha. Em 1912, Portugal era o maior exportador mundial de conservas de peixe, sendo a sardinha a maior parte.

A maioria dos trabalhadores da mobilização na Europa eram mulheres. Isso porque eles acreditavam que suas mãos “cabiam melhor em latas pequenas” e eram mais hábeis em “movimentos rápidos e coordenação olho-mão”.

READ  Agência dos EUA aprova uso de vacinas Pfizer e BioNTech | Globalismo

O Museu de Portimão é um dos locais onde pode descobrir curiosidades como esta. Lá, os visitantes podem descobrir “uma história surpreendente com filmes sobre os primeiros dias e o comércio de sardinha antes da revolução”. Há uma grande estátua localizada perto do museu em homenagem às mulheres que trabalham nas fábricas.

Durante a Grande Guerra, a necessidade de alimentos prontos para envio e embalados estava na vanguarda das mentes de todos. E rapidamente, uma lata de sardinha foi vista como um acessório de lancheira “obrigatório” para soldados, mulheres e crianças porque são muito econômicas e saudáveis. No entanto, embora as pessoas se alegrassem com a perspectiva do fim da guerra, essa ideia era agridoce para os moinhos de sardinha.

É claro que depois da guerra, muitas fábricas foram forçadas a fechar e muitos trabalhadores foram dispensados ​​por terem recorrido a maquinários de embalagens para reduzir custos.

Hoje, poucas fábricas de conservas no país ainda mantêm o processo de enlatamento manual.

Nos tempos actuais, geralmente durante os meses de Julho e Agosto, as aldeias e vilas de todo o país celebram a sardinha com inúmeras festas. Os conselhos locais convidam pescadores de diferentes partes do litoral para oferecer sardinhas a moradores e turistas de todo o mundo. Eles também coordenam entretenimento e música ao vivo, bem como convidam outros artesãos e fazendeiros locais para participar. Portimão é uma das festas da sardinha mais famosas do Algarve, geralmente em agosto. É um sucesso entre os moradores e turistas – em 2019, o público foi recorde de 100 mil pessoas.

Este ano, se os festivais estão a decorrer e quer estar preparado, pode seguir alguns passos simples para ‘parecer um local’. A forma tradicional de comer sardinha portuguesa é jogar fora os talheres e simplesmente usar as mãos. Primeiro, coloque as sardinhas sobre uma fatia de pão e coma a carne dos dois lados.

READ  Mio Temo se reúne com Dolio Monteiro Alves, candidato à presidência do Corinthians

Quando terminar de comer as sardinhas, coloque os ossos de um lado e as outras sardinhas no mesmo pedaço de pão. Depois de comer o peixe, só resta o pedaço de pão mais saboroso, perfeitamente embebido em ricos sucos e azeite de oliva, e que certamente impressionará alguns dos habitantes locais.

Escrito por Alex Brennan

Foto: Bruno Filipe Pires / Grupo de Mídia Aberta
Foto: Bruno Filipe Pires / Grupo de Mídia Aberta
Foto: Bruno Filipe Pires / Grupo de Mídia Aberta
Foto: Museu de Portimão
Foto: Museu de Portimão
Foto: Museu de Portimão
Foto: Museu de Portimão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *