últimas notícias.

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

Conselho autoriza suspensão de pagamentos da área de mobilidade urbana

Confiança do consumidor cresce 9 pontos em junho, diz FGV

STF: inquérito contra Weintraub sobre racismo vai para 1ª instância

1/5
Please reload

OMS: mortes ligadas à covid-19 dispararam na Europa desde março

Morreram cerca de 159 mil pessoas a mais que o previsto em 24 países

 

Por John Miller, da Reuters 

Mundo | 28 de Maio de 2020, 18h00

Foto: Reuters/Denis Balibouse/Direitos Reservados

 

Desde o início de março, morreram cerca de 159 mil pessoas a mais do que era esperado normalmente em 24 países europeus, disse nesta quinta-feira (28) uma representante da Organização Mundial da Saúde (OMS), com "proporção significativa" desse pico ligada à covid-19.

 

Até agora, mais de 2 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus na Europa, um aumento de 15% nas duas últimas semanas. Rússia, Turquia, Bielorrúsia e Reino Unido lideram as novas infecções, informaram autoridades europeias da OMS. Mais de 175 mil pessoas já morreram.

 

>>>Siga o Bem Mais Brasília nas redes sociais: Instagram | Facebook | Twitter | YouTube

 

Embora o número de mortes em excesso leve em conta todas as causas de mortalidade, Katie Smallwood, uma especialista em emergências da OMS, disse que o fato - registrado no momento em que milhares de pessoas estavam morrendo em unidades de tratamento intensivo em locais como o Norte da Itália, a França, a Espanha o e Reino Unido - mostra o impacto da covid-19.

 

"O que vimos muito claramente é o que pico de mortalidade em excesso corresponde ao pico da transmissão da covid-19 nesses países", disse Smallwood aos repórteres. "Isso nos dá uma indicação muito boa de que uma proporção significativa dessas mortes em excesso está ligada e se deve à covid-19".

 

Smallwood disse ainda que países como Alemanha, Suíça e outros que podem amenizar restrições a locais como bares, casas noturnas e outros pontos de aglomeração, precisam ter ferramentas robustas de detecção de doenças e sistemas de exame e rastreamento em funcionamento, para ajudar a impedir uma possível "segunda onda" da epidemia.

 

Please reload

comente.
recomendados para você.

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

Conselho autoriza suspensão de pagamentos da área de mobilidade urbana

Confiança do consumidor cresce 9 pontos em junho, diz FGV

STF: inquérito contra Weintraub sobre racismo vai para 1ª instância

1/1
Please reload

TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV