últimas notícias.

O virtual está cada vez mais presente na nossa vida

OMS: mortes ligadas à covid-19 dispararam na Europa desde março

PGR se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro

Ministro da Justiça pede ao STF suspensão de oitiva de Weintraub

PF investiga desvio de verbas na Prefeitura de Uberaba

Governo de Goiânia deve liberar treinos de futebol em junho

1/5
Please reload

Após fim do acordo com a Boeing, Embraer reajusta produção

Para a empresa brasileira, rescisão de acordo foi indevida

 

Por Marcelo Rochabrum, da Reuters 
Economia | 27 de Abril de 2020, 10h00

Foto: Courtesy Embraer/Handout/Via Reuters

 

A fabricante de aviões brasileira Embraer informou nesta domingo (26) que, após o fim do acordo de US$ 4,2 bilhões com a Boeing, anunciado no final de semana, trabalha para ajustar os seus níveis de produção e as despesas de capital para economizar recursos.

 

>>>Siga o Bem Mais Brasília nas redes sociais: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube

 

A empresa acrescentou, em um comunicado, que terminou 2019 com uma "sólida posição de caixa" e não tinha "dívida significativa para os próximos dois anos".

 

"Estamos tomando medidas adicionais para preservar nossa liquidez e manter nossas finanças sólidas durante esses tempos turbulentos", acrescentou a empresa.

 

Outras medidas incluem ajustes no estoque, extensão dos ciclos de pagamento, redução de despesas e busca de financiamento, disse a Embraer.

 

O acordo entre a Embraer e a Boeing foi anunciado há quase dois anos. As empresas estavam em fase final de fechamento da negociação antes da Boeing tomar a iniciativa de desfazer o acordo. A Boeing deveria controlar 80% da divisão de aviação comercial da Embraer, que fabrica aviões de até 150 assentos.

 

>>>Siga o Bem Mais Brasília nas redes sociais: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube

 

A Boeing e a Embraer já haviam recebido a aprovação dos organismos antitruste de todos os governos necessários, exceto a União Europeia, e a Embraer gastou milhões criando o segmento de negócios que a Boeing assumiria.

 

Rescisão indevida

 

A empresa brasileira, terceira maior fabricante de aviões do mundo, via o acordo como necessário para sua sobrevivência a longo prazo, a medida que o duopólio da Boeing-Airbus se fortalecia.

 

Em um comunicado divulgado no sábado, a Embraer afirmou que a Boeing rescindiu "indevidamente o Acordo Global da Operação e fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões."

 

A empresa brasileira afirmou ainda que irá buscar as "medidas cabíveis" para ser ressarcida pelos dados causados pela decisão da Boeing.

 

Please reload

comente.
recomendados para você.

O virtual está cada vez mais presente na nossa vida

OMS: mortes ligadas à covid-19 dispararam na Europa desde março

PGR se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro

Ministro da Justiça pede ao STF suspensão de oitiva de Weintraub

PF investiga desvio de verbas na Prefeitura de Uberaba

Governo de Goiânia deve liberar treinos de futebol em junho

1/1
Please reload

TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV