TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV

PARCEIROS:

Todos os direitos reservados.

últimas notícias.

Advogado Marco Sabino lança livro em Brasília

Maioridade não extingue obrigação de pagar pensão alimentícia

Paratleta, campeão brasileiro, precisa de cadeira de rodas funcional

“Os Bravos Nunca se Calam” será exibido no Festival de Cinema de Brasília

Organizações da sociedade civil irão debater propostas para um novo Pacto Federativo

Loja especializada em comida saudável chega a Águas Claras

1/5
Please reload

Após repercussão, Eduardo se desculpa por declaração sobre AI-5

Por Agência Brasil 
Política | 01 Nov 2019, 10h27

O deputado Eduardo Bolsonaro - Foto: Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se desculpou na tarde de ontem (31) por declarações feitas durante uma entrevista à jornalista Leda Nagle, veiculada no YouTube. Ao comentar protestos de rua que ocorrem no Chile, o deputado disse que, se houver uma radicalização da esquerda no Brasil, "a gente vai precisar ter uma resposta e uma resposta pode ser via um novo AI-5”.

 

No final da tarde, em entrevista ao programa Brasil Urgente, da Band, o deputado disse que foi mal interpretado e se desculpou. "Eu peço desculpas a quem, porventura, tenha entendido que estou estudando o retorno do AI-5”, disse o deputado ao acrescentar: "Essa possibilidade não existe".

 

A fala do parlamentar sobre um novo Ato Institucional n°5 (AI-5) repercutiu ao longo dia. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), bem como o próprio presidente da República e pai do deputado, Jair Bolsonaro, manifestaram-se sobre a declaração de Eduardo.

 

Sobre o AI-5

 

Publicado dia 13 de dezembro de 1968, durante o governo de Costa e Silva, o AI-5 é considerado o mais duro dos atos do período militar (1964-1985). O dispositivo autorizava o presidente da República a decretar o recesso do Congresso Nacional, das assembleias legislativas e das câmaras de vereadores, cassar mandatos de parlamentares e suspender direitos políticos dos cidadãos.

 

Após a publicação do ato, o presidente Costa e Silva fechou o Congresso Nacional por tempo indeterminado. Segundo registro da Câmara dos Deputados, o Congresso só voltou a funcionar dez meses depois. A justificativa era assegurar a ordem e a tranquilidade no país.

Please reload

comente.
recomendados para você.

Advogado Marco Sabino lança livro em Brasília

Maioridade não extingue obrigação de pagar pensão alimentícia

Paratleta, campeão brasileiro, precisa de cadeira de rodas funcional

“Os Bravos Nunca se Calam” será exibido no Festival de Cinema de Brasília

Organizações da sociedade civil irão debater propostas para um novo Pacto Federativo

Loja especializada em comida saudável chega a Águas Claras

1/1
Please reload