TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV

PARCEIROS:

Todos os direitos reservados.

últimas notícias.

De Virada: Brasil vence México com gol nos acréscimos do 2º tempo

Polícia confirma suspeita de envenenamento em 4 mortes em Barueri

Vai-Vai abre Virada da Consciência em São Paulo

20 "coletes amarelos" são presos em Paris

Papa Francisco almoça com moradores de rua

Veneza está em alerta máximo com previsão de subida do nível das águas

1/5
Please reload

Desalento é maior no Nordeste e entre jovens, mulheres diz FGV IBRE

O número de pessoas desalentadas mais do que dobrou desde 2012

 

Da Redação, BMB
Economia | 25 de Setembro de 2019 - 11:05h

Foto: Victor Uchôa/Reprodução/Revista Piauí 

 

O nível de desalento está alto no Brasil: 4,9 milhões de brasileiros desistiram de procurar emprego no segundo trimestre de 2019, segundo dados do IBGE. A pesquisa realizada pelos economistas Paulo Peruchetti e Laísa Rachter, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), analisou dados de 2012 a 2019, e identificou que os grupos que mais sofreram foram os de jovens com idade entre 14 e 23 anos (33,5%), mulheres (55,2%), pessoas com baixa escolaridade (41,2%, com ensino fundamental incompleto) e que se declararam pardas ou negras (73%). A região Nordeste concentra 60% desse grupo, puxado pelo estado da Bahia (15,7%).

 

 

 

A pesquisa foi feita com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) e foi elaborada para entender o perfil de quem está desistindo do mercado de trabalho, como estão distribuídos os desalentados pelo território brasileiro e os motivos que levaram a esse nível de desalento.

 

Segundo o FGV IBRE, a principal razão declarada como causa do desalento é a escassez de emprego na localidade da residência dos trabalhadores (63%). "Isso acaba mostrando a falta de dinamismo da economia local, fator que ajuda a explicar porque as pessoas estão desalentadas", analisou Peruchetti. As demais respostas incluem falta de trabalho adequado, o fato de ser jovem ou idoso e, por último, falta de qualificação.

 

 

Para o economista, a perda acumulada de 8,2% no PIB, durante a recessão, e a lenta recuperação da economia – que cresceu 1,1% nos últimos dois anos e deve repetir o desempenho este ano, segundo as projeções do FGV IBRE – impactaram fortemente o mercado de trabalho. "Este aumento do número de pessoas desalentadas, provocado pelo enfraquecimento da economia, ajuda a explicar o porquê do número de pessoas subutilizadas no mercado de trabalho está tão elevada", destacou Peruchetti.

 

 

 

 

Please reload

comente.
recomendados para você.

De Virada: Brasil vence México com gol nos acréscimos do 2º tempo

Polícia confirma suspeita de envenenamento em 4 mortes em Barueri

Vai-Vai abre Virada da Consciência em São Paulo

20 "coletes amarelos" são presos em Paris

Papa Francisco almoça com moradores de rua

Veneza está em alerta máximo com previsão de subida do nível das águas

1/1
Please reload