últimas notícias.

Nego Rainner faz show drive-in neste sábado, em Brasília

DF: Digital Influencer mirim arrecada donativos para comunidade carente

Show em formato drive-in terá como atração os Sertanejos Caio & Henrique

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

1/5
Please reload

Desalento é maior no Nordeste e entre jovens, mulheres diz FGV IBRE

O número de pessoas desalentadas mais do que dobrou desde 2012

 

Da Redação, BMB
Economia | 25 de Setembro de 2019 - 11:05h

Foto: Victor Uchôa/Reprodução/Revista Piauí 

 

O nível de desalento está alto no Brasil: 4,9 milhões de brasileiros desistiram de procurar emprego no segundo trimestre de 2019, segundo dados do IBGE. A pesquisa realizada pelos economistas Paulo Peruchetti e Laísa Rachter, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), analisou dados de 2012 a 2019, e identificou que os grupos que mais sofreram foram os de jovens com idade entre 14 e 23 anos (33,5%), mulheres (55,2%), pessoas com baixa escolaridade (41,2%, com ensino fundamental incompleto) e que se declararam pardas ou negras (73%). A região Nordeste concentra 60% desse grupo, puxado pelo estado da Bahia (15,7%).

 

 

 

A pesquisa foi feita com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) e foi elaborada para entender o perfil de quem está desistindo do mercado de trabalho, como estão distribuídos os desalentados pelo território brasileiro e os motivos que levaram a esse nível de desalento.

 

Segundo o FGV IBRE, a principal razão declarada como causa do desalento é a escassez de emprego na localidade da residência dos trabalhadores (63%). "Isso acaba mostrando a falta de dinamismo da economia local, fator que ajuda a explicar porque as pessoas estão desalentadas", analisou Peruchetti. As demais respostas incluem falta de trabalho adequado, o fato de ser jovem ou idoso e, por último, falta de qualificação.

 

 

Para o economista, a perda acumulada de 8,2% no PIB, durante a recessão, e a lenta recuperação da economia – que cresceu 1,1% nos últimos dois anos e deve repetir o desempenho este ano, segundo as projeções do FGV IBRE – impactaram fortemente o mercado de trabalho. "Este aumento do número de pessoas desalentadas, provocado pelo enfraquecimento da economia, ajuda a explicar o porquê do número de pessoas subutilizadas no mercado de trabalho está tão elevada", destacou Peruchetti.

 

 

 

 

Please reload

comente.
recomendados para você.

Nego Rainner faz show drive-in neste sábado, em Brasília

DF: Digital Influencer mirim arrecada donativos para comunidade carente

Show em formato drive-in terá como atração os Sertanejos Caio & Henrique

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

1/1
Please reload

TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV