últimas notícias.

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

Conselho autoriza suspensão de pagamentos da área de mobilidade urbana

Confiança do consumidor cresce 9 pontos em junho, diz FGV

STF: inquérito contra Weintraub sobre racismo vai para 1ª instância

1/5
Please reload

Vereadora do PSOL é executada a tiros no Rio de de Janeiro

Socióloga, Marielle Franco foi eleita vereadora do Rio com 46.502 votos

Por João Carlos Rodrigues, do AGROemDIA 

Brasil | 15 de Março de 2018, 09:57h
 

 Foto: Arquivo Pessoal/Facebook 

 

A vereadora Marielle Franco (PSOL), 39 anos, foi executada a tiros, na noite desta quarta-feira (14), no Estácio, centro do Rio, informa o site do jornal O DIA. O motorista que dirigia o carro também foi morto. “É inaceitável”, indignou-se o deputado Luiz Paulo, chocado com o crime. 

 

Segundo O DIA, ela voltava de um evento na Lapa, quando um carro parou ao lado do veículo de seu motorista, na Rua Joaquim Palhares, próximo ao metrô, e dois bandidos dispararam, fugindo em seguida. O veículo ficou com diversas marcas de tiro na lateral. Uma terceira pessoa foi atingida por estilhaços no local.

 

“É muito violento. Ela lutava pela paz e pela justiça. Tudo indica que não foi assalto”, disse o deputado federal Chico Alencar ao site O DIA. “Vou pedir uma apuração rigorosa. Ela fazia parte da Comissão da Câmara que fiscalizava a intervenção.” O crime, enfatizou, precisa ser apurado com celeridade.

“Marielle representava uma novidade na política com uma atuação importante. Foi decisiva para uma série de coisas”, acrescentou o vereador Tarcísio Motta, conforme O DIA. “Ela foi combativa, humana, partícipe de todas as lutas populares”, completou o deputado Luiz Paulo.

 

Por meio de nota, o prefeito Marcelo Crivella também se manifestou: “É com profundo pesar que lamentamos o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, cuja honradez, bravura e espírito público representavam com grandeza inigualável as virtudes da mulher carioca”.

 

Denúncia contra ação da PM

 

De acordo com o site O DIA, no domingo, Marielle denunciou uma ação de PMs do 41º BPM (Irajá) na Favela de Acari. Segundo ela, moradores reclamaram da truculência dos policiais durante a abordagem na região.

 

Ela compartilhou uma publicação em que comenta que rapazes foram jogados em um valão. Conforme as denúncias, no último sábado, os PMs invadiram casas, fotografaram suas identidades e aterrorizaram populares no entorno.

 

“Precisamos gritar para que todos saibam o está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu Marielle.

 

A vereadora nasceu no Complexo da Maré, formou-se pela PUC-Rio, fez mestrado em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e coordenou a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao lado do deputado Marcelo Freixo.

 

Please reload

comente.
recomendados para você.

CNJ propõe regionalização e rodízio para juiz de garantias

Aneel dispõe de R$ 16,1 bi para ajudar distribuidoras na pandemia

Governo publica edital para pavimentação da BR-319, no Amazonas

Conselho autoriza suspensão de pagamentos da área de mobilidade urbana

Confiança do consumidor cresce 9 pontos em junho, diz FGV

STF: inquérito contra Weintraub sobre racismo vai para 1ª instância

1/1
Please reload

TERMOS DE US0

CONHEÇA

EXPEDIENTE 

ANUNCIE

APOIE

FALE COM O BMB 

OPINIÃO 

BMB TV