Senado apoia Finlândia e Suécia para a OTAN 95-1, repreendeu a Rússia

Washington (AFP) – Senadores dos Estados Unidos deram uma aprovação bipartidária esmagadora da adesão à Otan à Finlândia e à Suécia nesta quarta-feira, chamando a expansão do bloco de defesa ocidental de um “golpe mortal” para a segurança nacional dos EUA e um dia de acerto de contas para o presidente russo, Vladimir Putin. sua invasão. Ucrânia.

Uma votação de 95 a 1 na quarta-feira – a favor da candidatura de dois países da Europa Ocidental que, até a guerra da Rússia contra a Ucrânia, há muito evitavam alianças militares – deu um passo decisivo para a expansão da Otan e seu acordo mútuo de 73 anos. Defesa entre os Estados Unidos e os aliados democráticos da Europa.

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, convidou os embaixadores dos dois países para a câmara para assistir à votação.

O presidente Joe Biden, que tem sido o principal ator na mobilização de apoio econômico e material global para a Ucrânia, buscou uma entrada rápida nos dois países no norte da Europa anteriormente não militarmente aliado.

“Esta votação histórica envia um sinal importante para o contínuo compromisso bipartidário dos Estados Unidos com a Otan e para garantir que nossa aliança esteja preparada para enfrentar os desafios de hoje e de amanhã”, disse Biden em comunicado na noite de quarta-feira.

“Estou ansioso para assinar os Protocolos de Adesão e acolher a Suécia e a Finlândia, duas democracias fortes com exércitos altamente capazes, na maior aliança de defesa da história”, acrescentou o presidente.

É necessária a aprovação de todos os estados membros – atualmente, 30 -. As indicações dos dois prósperos países do norte da Europa ganharam o endosso de mais da metade dos estados membros da Otan nos cerca de três meses desde que os dois países foram introduzidos. É um ritmo intencionalmente rápido projetado para enviar uma mensagem à Rússia sobre sua guerra de seis meses contra o governo ucraniano de aparência ocidental.

READ  Últimas notícias da guerra russo-ucraniana: ucranianos mantêm Kiev enquanto Putin aumenta a invasão

“Isso é um alerta para os tiranos de todo o mundo que acreditam que as democracias livres estão prontas para serem dominadas”, disse a senadora Amy Klobuchar, democrata de Minnesota, no debate no Senado antes da votação.

“A invasão russa não provocada mudou a maneira como pensamos sobre a segurança global”, acrescentou.

O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, que visitou Kyiv no início deste ano, pediu a aprovação unânime. Falando ao Senado, McConnell citou os exércitos modernizados da Finlândia e da Suécia bem financiados e sua experiência trabalhando com forças e sistemas de armas dos EUA, chamando-o de “golpe mortal à segurança nacional” para os Estados Unidos.

Unir-se a eles tornará a OTAN mais forte e a América mais segura. “Se algum senador está procurando uma desculpa defensável para votar não, desejo-lhes boa sorte”, disse McConnell.

O senador Josh Hawley, um republicano do Missouri que muitas vezes combina suas posições com o mais fervoroso defensor do ex-presidente Donald Trump, deu seu único voto de não. Hawley foi ao plenário do Senado para descrever as alianças de segurança europeias como uma distração do que ele chamou de principal concorrente dos Estados Unidos – a China, não a Rússia.

“Podemos fazer mais na Europa… alocar mais recursos, mais poder de fogo… ou fazer o que temos que fazer para deter a Ásia e a China”, disse Hawley, descrevendo sua “abordagem nacionalista clássica” à política externa.

O senador Tom Cotton, do Arkansas, que representou Hawley como potencial candidato presidencial em 2024, refutou seus pontos sem nomear seu potencial adversário republicano.

Isso incluiu argumentar contra a afirmação de Hawley de que uma OTAN maior significaria mais compromissos com os militares dos EUA, os maiores do mundo. Cotton foi um dos muitos que citou os poderes militares dos dois países – incluindo a experiência da Finlândia em garantir centenas de quilômetros de sua fronteira com a Rússia, suas forças terrestres bem treinadas e sua marinha e força aérea suecas bem equipadas.

READ  Covaxin, o sucesso caseiro da Covid na Índia, 'altamente eficaz': Estudo | Notícias da pandemia do vírus Corona

Cotton disse que eles eram “dois dos membros mais poderosos da aliança, uma vez que se juntaram”.

Autoridades do Estado e da Defesa dos EUA consideram os dois países como “provedores de segurança”, fortalecendo a postura defensiva da OTAN nos estados bálticos em particular. Espera-se que a Finlândia exceda a meta de gastos de defesa gerada pelo PIB da OTAN de 2% em 2022, e a Suécia se comprometeu a cumprir a meta de 2%.

Isso contrasta com os muitos recém-chegados à OTAN que já foram da órbita da União Soviética, muitos dos quais têm exércitos e economias menores. A Macedônia do Norte, o mais novo recém-chegado à OTAN, trouxe um exército ativo de apenas 8.000 quando se juntou em 2020.

Os votos dos senadores que aprovam as indicações da OTAN são muitas vezes desiguais – a votação da Macedônia do Norte foi 91-2. Mas a aprovação de quase todos os senadores na quarta-feira teve peso adicional na política externa à luz da guerra russa.

Schumer, do norte de Dunya, disse que ele e McConnell se comprometeram com os líderes do país que o Senado aprovaria a ratificação “o mais rápido possível” para fortalecer a coalizão “à luz da recente agressão russa”.

A Suécia e a Finlândia se inscreveram em maio, revertendo sua posição de longa data de não alinhamento militar. Esta foi uma grande mudança nos acordos de segurança dos dois países depois que a vizinha Rússia lançou sua guerra contra a Ucrânia no final de fevereiro. Biden incentivou sua adesão e deu as boas-vindas aos primeiros-ministros dos dois países à Casa Branca em maio, ficando lado a lado com eles em uma demonstração de apoio americano.

Os Estados Unidos e seus aliados europeus se uniram em uma nova parceria diante da invasão militar de Putin, bem como as declarações arrebatadoras do líder russo este ano condenando a OTAN, emitindo lembretes velados do arsenal nuclear da Rússia e confirmando as reivindicações territoriais históricas da Rússia a muitos de seus territórios. Vizinho.

READ  Trudeau diz que não há acordo sobre o levantamento das restrições de fronteira após negociações com Biden

“A expansão da OTAN é exatamente o oposto do que Putin imaginou quando ordenou que seus tanques invadissem a Ucrânia”, disse o senador Bob Menendez, democrata de Nova Jersey e presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, na quarta-feira, acrescentando que o Ocidente não pode permitir Rússia para “lançar invasões de países”.

A votação de quarta-feira por republicanos e democratas apresentou a sala lenta e geralmente dividida. Os senadores votaram contra uma emenda proposta pelo senador republicano Rand Paul, destinada a garantir que a garantia de defesa da OTAN para seus membros não substitua o papel formal do Congresso em autorizar o uso da força militar. Paul, um defensor de longa data de manter os Estados Unidos fora da maioria das operações militares no exterior, votou “presente” para ratificar a tentativa de adesão da Suécia e da Finlândia.

Os senadores aprovaram outra emenda do senador Dan Sullivan, R-Alaska, declarando que todos os membros da OTAN devem gastar pelo menos 2% de seu PIB em defesa e 20% de seus orçamentos de defesa em grandes equipamentos, incluindo pesquisa e desenvolvimento.

Cada governo membro da OTAN deve dar o seu consentimento para a adesão de qualquer novo membro. A operação teve problemas inesperados quando a Turquia levantou preocupações sobre a adição da Suécia e da Finlândia, acusando os dois de serem lenientes com grupos turcos curdos proibidos. As objeções da Turquia continuam a ameaçar a adesão dos dois países.

___

Acompanhe a cobertura da OTAN pela AP em https://apnews.com/hub/nato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.