Santos – pele a pele

Documentário de longa-metragem da escritora/diretora Catherine Golden, Santos – pele a pele, abre uma janela para a vida do percussionista e ativista comunitário John Santos. Enquanto crescia em San Francisco, sua família veio de Porto Rico, então ele explora e expressa sua profunda conexão com a cultura latina através do jazz latino afro-caribenho. Essa paixão pela tradição musical de jazz latino afro-caribenho mantém a música viva e saudável para as próximas gerações.

A mistura de influências no jazz latino-africano e caribenho é resultado de séculos de migração global, algumas delas involuntárias. A música coloca grande ênfase no ritmo e liricamente apresenta canções folclóricas da vida na fazenda sob o sol do Caribe. A própria textura da música remonta a uma época em que os afro-caribenhos eram escravizados. Santos habilmente publica esses hits para aumentar a conscientização sobre questões relacionadas à identidade e injustiça. A música é também a vertente da política da cultura. A banda inicial de Santos se chamava The Machete Ensemble para homenagear os cortadores de cana de seus ancestrais.

Santos é uma figura amada na cultura latina de São Francisco e é amplamente respeitado por escritores, professores e historiadores de jazz latino que falam sobre seu trabalho em entrevistas. Atualmente é membro do Jazz School Institute em Berkeley e San Mateo College. Santos ensina o ritmo e a história cultural por trás dos ritmos, além de ser ativo em protestos pelo direito à moradia. Entrevistas com sua esposa levam a suas histórias pessoais das vantagens e desvantagens do relacionamento, lidando com a tragédia e criando uma família.

“…[Santos] Explora e expressa sua profunda relação com a cultura latina Através do jazz latino-africano e caribenho. “

Santos – pele a pele Ocupa um lugar de honra ao lado de outros documentários sobre a vida e a música afro-caribenhas, como Clube Social Boa Vista E a Conexão Mali-Cuba. O jazz latino tem sido um dos favoritos dos ouvintes norte-americanos. No pop, Sergio Mendes e Brazil 66 trouxeram o jazz brasileiro para as paradas pop com músicas como Mas Q Nada.

Os documentários musicais recompensam o espectador com o aprendizado sobre as experiências de pessoas e lugares, mas também encantam com a trilha sonora. Mesmo que você não ache a história de John Santos convincente (improvável), você pode simplesmente aumentar o volume e curtir a música. O jazz latino, como o cinema, pode ser apreciado em muitos níveis. As letras vêm em grande parte de canções populares que falam sobre tempos difíceis e a opressão da escravidão e da pobreza. Mas, apesar de toda a escuridão, a música é transcendente, hipnótica, sempre cheia de alegria de viver. O ouvinte só pode optar por flutuar, perdendo-se no ritmo.

no Santos – pele a pele, Golden tece a colorida história de vida de Santos em torno da música afro-caribenha para um efeito envolvente. Apresentando shows de Santos, sua banda e uma variedade de estrelas do jazz latino de todo o mundo. Agora, levante-se e vá para aquele pulso inegável.

Para mais informações visite Santos – pele a pele Website oficial.

READ  Pelo menos sete mortos após rochas atingirem barcos turísticos no Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.