Resumo do mercado: ‘imposto sobre o pecado’ proposto no Brasil

O imposto sobre o pecado no Brasil está nas mãos do Congresso

A histórica reforma tributária aprovada pelo Congresso brasileiro em dezembro do ano passado inclui uma proposta para substituir o imposto federal sobre o consumo por um imposto sobre o pecado sobre produtos e importações prejudiciais à saúde das pessoas ou ao meio ambiente, como as bebidas alcoólicas. Produtos para fumar, artigos metálicos.

Efeitos do imposto sobre o pecado. a Revisou o estudo de 2021 Literatura sobre os efeitos da adoção de impostos sobre o pecado nos países latino-americanos. Mais de 80 por cento dos estudos observaram a redução do consumo de bens nocivos, bem como efeitos positivos na geração de receitas (71 por cento dos estudos) e nos resultados de saúde (82 por cento).

Contexto. A reforma altera o sistema bizantino de impostos sobre o consumo do país, fundindo cinco impostos multiníveis em duas taxas semelhantes ao IVA: uma a nível federal (CBS) e outra para estados e municípios (IBS).

  • Também muda gradualmente a lógica do sistema, de um imposto sobre vendas baseado na origem para um sistema baseado no destino – o que significa que os impostos serão cobrados onde o comprador está localizado ou para onde o produto se dirige, e não onde a empresa está sediada.

Status de jogo. No final de Abril, o Ministro das Finanças, Fernando Haddad, apresentou à Câmara dos Deputados um projecto de 356 páginas contendo definições legais e outros detalhes. O primeiro pacote está a ser discutido por um grupo de trabalho de sete membros antes de chegar à Câmara dos Representantes, o que significa que todos os lobistas estão de olho nele.

  • Um segundo conjunto de regulamentos relativos à redistribuição das receitas fiscais entre os estados também foi entregue ao Congresso no início de junho.
  • Mas o imposto sobre o pecado está entre os detalhes do primeiro pacote.
READ  Varejista de Americana admite fraude e culpa ex-executivos

O que o governo diz? O projeto de lei enviado pelo governo lista veículos, navios e aeronaves poluentes, produtos fumígenos, bebidas alcoólicas e açucaradas e metais.

Fabian Zeola Menezes

Fabian, ex-editor-chefe do LABS (Latin American Business Stories), tem mais de 15 anos de experiência em reportagens sobre negócios, finanças, inovação e cidades no Brasil. Este último recentemente a trouxe de volta à sala de aula e fez com que ela fizesse mestrado em Gestão Urbana pela PUCPR. Na TBR, você monitora a política econômica, as empresas revolucionárias e as pessoas que impulsionam a inovação na América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *