Repórter baseado em São Paulo diz que a Covid no Brasil está “completamente fora de controle”

O Brasil acaba de atingir o estágio negro do vírus Covid-19, e um repórter baseado em São Paulo não vê a situação melhorar em um futuro próximo.

Patricia Campos Melo, Correspondente da Jornal, No programa “The News with Shepard Smith” da CNBC na terça-feira. “Não há medicamentos para intubação e não há leitos de terapia intensiva. É uma combinação de falta de planejamento e apenas negação da gravidade da doença.”

“A situação está totalmente descontrolada”, acrescentou Campos Melo.

Os comentários de Campos Mello vieram depois que o Brasil bateu um recorde diário na terça-feira Número de mortos Covid, Mais de 3.700 óbitos foram registrados, segundo dados do Ministério da Saúde do Brasil. O Brasil tem a segunda maior mortalidade por Covid no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, de acordo com Johns Hopkins University. Além disso, Menos de 2% De brasileiros que receberam pelo menos uma dose da vacina.

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro tem atacado consistentemente as medidas de segurança relacionadas à Covid. No início deste mês, ele disse à People Para parar de “choramingar” Sobre mortes e o caminho a seguir. Campos Melo destacou que o mundo pode aprender com os erros do Brasil.

“Acho que a principal lição é que quando você tem um presidente ou líder espalhando desinformação e dizendo que as pessoas não devem ficar ansiosas e que não precisam de distanciamento social, isso é muito perigoso, e estamos vendo resultados agora com todos as mortes “, disse Campos Melo.

Bolsonaro também Substitua vários oficiais militares seniores Na terça-feira, depois de demitir o ministro da Defesa na segunda-feira, em meio a uma grande reforma. O caos político é o resultado da reação de Bolsonaro à pressão generalizada sobre a má gestão da pandemia no país, Campus Melo disse a Sheppard Smith da CNBC.

READ  World Music - 20 de março de 2021

“As taxas de aprovação do presidente Bolsonaro estão caindo, então ele demitiu alguns ministros e hoje os líderes das Forças Armadas renunciaram porque estavam sob pressão de Bolsonaro para impor algum tipo de toque de recolher ou medidas extremas que eram quase exageradas”, disse ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *