Rebecca Andrade é a primeira mulher brasileira a ganhar ouro na ginástica artística

A ginasta brasileira Rebecca Andrade fez história nas Olimpíadas de Tóquio pela segunda vez no dia 1º de agosto, quando conquistou a medalha de ouro na final do salto de ginástica artística feminina. A vitória de Rebecca marca a primeira vez que alguém de seu país ganhou uma medalha de ouro na ginástica na história olímpica. A ginasta de 22 anos conquistou o ouro apenas dois dias depois de conquistar a prata na final geral feminina, tornando-se a primeira brasileira a conquistar uma medalha olímpica na ginástica artística.

As vitórias de Rebeca vêm na ausência da ginasta americana Simone Biles, que foi a indicada a ouro em todos os eventos de ginástica artística feminina nos Jogos de Tóquio. Simon retirou-se das finais da Copa do Mundo e das Finais, entre outros, após o primeiro evento (salto) nas finais por equipe devido a ter torções. No entanto, Rebecca ganhou ambas as medalhas por uma grande margem sobre a maioria de suas colegas ginastas, incluindo a americana Mykayla Skinner e a coreana YEO Seojeong.

Rebeca deu dois saltos para garantir a vitória, Cheng que termina com uma volta de frente e meia e o duro Amanar, que inclui dois saltos e meio que Rebeca não fazia nas competições há vários anos. A ginasta brasileira marcou um total de 15.083, batendo a americana Michaela Skinner em 14.916 pontos para ganhar a medalha de prata, e o coreano YEO Seojeong que marcou 14.733 para ganhar o bronze.

“Não sei … chegando ao pódio … Nunca imaginei que voltaria fazendo todos esses saltos, melhorando meu primeiro salto”, disse ela no domingo após sua vitória. Olympics.com. “Foi um grande orgulho para mim porque vi o quanto cresci, amadureci e isso é muito bom”, disse ela.

A viagem de Rebecca a Tóquio foi longa e difícil. Depois de competir nas Olimpíadas do Rio de 2016 em seu país sem ganhar uma medalha, ela rompeu o ligamento cruzado anterior (LCA) várias vezes, a mais recente em 2019, impedindo-a de competir nos campeonatos mundiais daquele ano e, no final, custando à seleção brasileira. A chance de se classificar para as Olimpíadas como um todo. Rebecca então teve que lidar com vários contratempos relacionados à pandemia COVID-19 e o adiamento das Olimpíadas de Tóquio, incluindo contrair o vírus novamente em dezembro de 2020.

Ela acabou se tornando uma das últimas ginastas a se classificar para as Olimpíadas como pessoa física em junho de 2020, poucas semanas antes do início dos jogos, em 23 de julho. Agora, Rebecca orgulhosamente retornará ao Brasil com as duas medalhas olímpicas do país na ginástica artística feminina.

READ  'The Tomorrow War' não ganhará nenhum prêmio, mas é um jogo de ação para assistir (avaliação)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *