Província de Sonoma descobre um caso individual da variante do Brasil

Autoridades de saúde pública do condado de Sonoma confirmaram o primeiro caso local da chamada variante brasileira, uma mutação dos coronavírus que causou estragos naquele país e pode ser duas vezes mais transmissível do que cepas anteriores da doença infecciosa.

O último boom, conhecido como variante P.1, é um de um número pequeno, mas crescente, de casos alterados e “hacks” que as autoridades da província descobriram. Na sexta-feira, havia 14 infecções por HIV geralmente associadas às variantes do Brasil, Reino Unido e Costa Oeste, ante 8 em meados de abril.

Além disso, existem agora 60 casos de COVID-19 que o condado relacionou a residentes que foram totalmente vacinados e, depois de duas semanas ou mais, o resultado do teste foi positivo para o vírus. No mês passado, quando as autoridades do condado admitiram o primeiro lote de infecções, 39 casos foram confirmados.

Autoridades provinciais de saúde pública tiveram poucas informações na sexta-feira sobre a única infecção envolvendo a perigosa variante Brasil, exceto que não parecia estar relacionada a viagens. As autoridades disseram que estão investigando o caso.

O Dr. Sundari Masi, oficial de saúde do condado, disse que a presença de variantes do COVID-19 no condado de Sonoma é esperada e não deve causar preocupação com esse pequeno número.

O baixo nível de transmissão do coronavírus no condado e uma alta taxa de vacinação ajudam a desacelerar a disseminação de variantes, enquanto reduz a possibilidade de novas mutações.

“Não acho que precisamos entrar em pânico sobre ter um único caso de uma variável em nossa sociedade. Precisamos apenas rastreá-los”, disse Massey, indicando que o condado em breve terá a capacidade de sequenciar suas próprias sequências genéticas em resultados positivos Amostras COVID-19 para determinar a presença da variante.

READ  Cúpula do clima como aconteceu: Biden coroa evento com empregos verdes e mensagem de cooperação

O condado agora está enviando amostras selecionadas para laboratórios estaduais e federais de sequenciamento de genes. Mas os resultados geralmente levam várias semanas para confirmar ou excluir as variáveis, dificultando o uso das informações para rastreamento de contato local eficaz.

Além do único caso da variante brasileira, as autoridades de saúde do condado identificaram dois casos da variante do Reino Unido e cinco e seis casos, respectivamente, de duas variantes diferentes da Costa Oeste.

“A expectativa é que veremos mudanças em todo o mundo, devido à globalização e ao fato de as pessoas viajarem”, disse Massi. “O que isso significa é que precisamos permanecer vigilantes. As pessoas precisam continuar a usar máscaras ou coberturas faciais e realmente aderir a todas as outras medidas de mitigação enquanto continuamos a reabrir a economia.”

A notícia das mudanças chega em um momento em que o município está prestes a se qualificar na madrugada de terça-feira para reabrir e expandir as operações comerciais na área e nos espaços públicos. As métricas domésticas do COVID-19 estão chegando perto de tornar o condado elegível para avançar do nível laranja para o nível amarelo menos restritivo para o plano de reabertura de quatro partes do estado.

Massey disse que muito do sucesso do condado em manter a transmissão do vírus sob controle se deve aos esforços locais de vacinação, que resultou na vacinação de 47% dos residentes do condado com 16 anos de idade ou mais. Outros 19% são parcialmente polinizados. Cerca de 450.000 doses da vacina foram administradas em todo o país desde dezembro.

Dos 192.579 residentes do condado de Sonoma que foram totalmente vacinados até sexta-feira, as autoridades do condado disseram que apenas 60 deles contraíram o vírus.

READ  Os preços do petróleo estão tendendo a subir, mesmo com casos de aumento de COVID-19 em partes do mundo

O Dr. Mark Lobato, consultor médico do departamento de saúde pública do condado, disse que a grande maioria desses pacientes não apresentava sintomas virais ou doença leve.

Entre a maioria das pessoas que se infectam após a vacinação, disse Lobato, as cargas virais são baixas e a ponto de a pessoa não ser contagiosa ou pelo menos não altamente contagiosa.

As autoridades disseram que os casos pós-vacinais de COVID-19 representam uma pequena porcentagem das 9.284 pessoas com teste positivo para coronavírus desde o início do ano, logo após o início da campanha de vacinação em andamento.

Essas lesões perfurantes eram raras em nível nacional. Mas especialistas em doenças infecciosas dizem que essa classe de infecção é previsível porque as vacinas atuais não dão às pessoas 100% de imunidade. As duas vacinas COVID-19 mais amplamente utilizadas, Pfizer e Moderna, são 95% e 90% eficazes, respectivamente, na prevenção de doenças pandêmicas.

O Dr. Michael Vollmer, um especialista regional em doenças infecciosas da Kaiser Permanente, disse em meados de abril que apenas alguns casos avançados foram identificados e associados às mais de 1,5 milhão de vacinações para COVID-19 que Kaiser fez no norte da Califórnia.

Você pode entrar em contato com o General Clerk Martin Espinosa em 707-521-5213 ou [email protected] No Twitter @pressreno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *