Protestos em massa no Brasil pedem impeachment de Bolsonaro | Brasil

Dezenas de milhares de manifestantes voltaram às ruas da maior cidade do Brasil para exigir a demissão de Jair Bolsonaro, enquanto uma pesquisa de opinião mostra que as avaliações do presidente brasileiro caíram a novos níveis.

Enormes multidões marcharam no centro do Rio no sábado para expressar sua raiva com a resposta de Bolsonaro ao surto de COVID-19 que matou quase 600.000 pessoas e deu um duro golpe na economia do país sul-americano.

“Viemos gritar o mais alto que podemos: o lugar de Bolsonaro é atrás das grades”, disse Carlos Lupe, presidente do Partido Democrático dos Trabalhadores do Brasil, aos milhares de manifestantes agitando bandeiras que se reuniram em frente à prefeitura do Rio sob o forte sol do meio-dia. .

“Esse impostor que usa a Bíblia para enganar as pessoas … esse verme! Esse desgraçado! Ele deveria ir para a prisão!”, Gritou Luby diante dos gritos de aprovação.

Gandira Feghali, congressista do Partido Comunista Brasileiro, exortou os oponentes de Bolsonaro a formar uma ampla coalizão partidária contra o governo “fascista” do presidente. “Perdemos 600.000 pessoas”, disse Feghali à CNN. “Não podemos esperar mais. É hora de gritar: ‘Saia, Bolsonaro!'”

Todas as manhãs, desertores estavam migrando para o centro histórico do Rio, vindos de toda a segunda maior cidade do Brasil e de todas as esferas da vida.

Renato Bezerra de Mello veio com um grupo de amigos artistas, cada um carregando uma esfarrapada bandeira verde-amarela do Brasil. “É assim que nos sentimos em relação ao estado de nosso país. Ele está em apuros”, disse o homem de 61 anos.

“Ele é uma figura abominável”, disse de Mello sobre Bolsonaro, que agora é contra 58% dos brasileiros, de acordo com Enquete divulgada na véspera do protesto. “É a ponta do iceberg do que há de pior em todos nós.”

READ  A disputa da Petrobras destaca a dependência do Brasil dos caminhoneiros

Antonia Pellegrino, uma escritora cujo avô foi uma figura-chave na luta contra a ditadura brasileira de 1964-1985, disse que estava participando do primeiro comício anti-Bolsonaro desde o início da pandemia do coronavírus, tendo sido vacinada recentemente.

“É revigorante e é necessário que saiamos às ruas para deter o processo de destruição que atravessa nosso país”, disse Pellegrino enquanto uma fila de manifestantes marchava sobre Rio Branco.

José Manuel Ferreira Barbosa, um designer de interiores de Belford Roxo, uma cidade no dilapidado lado norte do Rio, disse que veio protestar contra o desemprego, o aumento da inflação e a fome generalizada que atribuiu a Bolsonaro.

“O presidente baixou os impostos sobre as armas, mas não sobre os alimentos básicos”, disse o presidente, de 63 anos, que segurava uma placa que dizia: “Armas não, comida sim”, disse o presidente. “Não podemos ficar calados”, disse Barbosa sobre a catástrofe social que está ocorrendo no Brasil.

Apesar da crescente oposição ao Bolsonaro – o extremista de extrema direita cujos críticos acusam de destruir a economia, o meio ambiente e o lugar do Brasil no mundo – ele mantém uma forte base de apoio de cerca de 20% dos eleitores.

O ex-pára-quedista pró-Trump ainda detém o controle do Congresso, graças a um acordo com uma coalizão poderosa e infame de partidos de centro-direita chamada Centro.

Esse apoio significa que o impeachment permanece uma possibilidade improvável, a menos que o número crescente de oponentes de Bolsonaro possa se unir para removê-lo do cargo antes da eleição presidencial de outubro próximo, que as pesquisas sugerem que o presidente perderá para qualquer um de seus rivais em potencial.

Líderes proeminentes da oposição fizeram fila no sábado para exigir tal unidade.

READ  Brasil estuda lei para rastrear fornecedores de gado para conter desmatamento

Ciro Gomez, um ex-ministro de centro-esquerda que pretende concorrer à presidência, disse que a remoção de Bolsonaro só seria possível se os 120 representantes da oposição no Congresso conseguissem conquistar aliados conservadores. “Bolsonaro é um criminoso em série que está atacando a democracia e matando centenas de milhares de brasileiros”, disse Gomez antes de gritar.

Enquanto caminhava pelo centro do Rio, Alessandro Molon, líder da oposição na Câmara dos Deputados, disse que os protestos de rua em massa foram cruciais para mostrar que a maioria dos brasileiros agora quer que Bolsonaro vá. Outra grande mobilização está marcada para 15 de novembro.

“Temos que mostrar nas ruas o que as pesquisas já mostram em números – que a grande maioria dos brasileiros não vai mais tolerar o desgoverno que causou a morte de 600 mil pessoas. [Covid] Mortes e arruinaram a economia brasileira e a reputação internacional do Brasil.

“Estamos ocupando as ruas para destacar a maioria silenciosa que não aguenta mais o Bolsonaro”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *