Protesto, epidemia e agravamento das condições no Haiti: um olhar para 2021 na América Latina e no Caribe

Poucas partes do mundo sofreram com a pandemia COVID-19 – desde taxas de mortalidade até taxas de desemprego – como a América Latina e o Caribe.

Em 2021, isso também exerceu forte pressão política sobre a região, principalmente em países com fortes laços com o sul da Flórida, como Colômbia, Cuba e Haiti.

Conforme a pandemia continua, você pode contar com o WLRN para mantê-lo atualizado com as notícias e informações locais. Seu apoio é o que mantém o WLRN forte. Por favor, torne-se um membro hoje. Doa agora mesmo. obrigado.

Tim Padgett, editor da WLRN Americas, analisou o ano na América Latina e no Caribe com Eduardo Gamara, da Florida International University, um especialista na região e sua política.

Abaixo estão trechos da conversa, editados para maior clareza.

WLRN: Feliz Ano Novo, Eduardo.

GAMARA: Feliz Ano Novo, Tim.

Então, nós dois escolhemos nossas três principais histórias do ano na América Latina e no Caribe. Sua escolha número três é o agravamento da crise de migrantes e refugiados na região – algo de que infelizmente nos lembramos no início deste mês, quando mais de 50 migrantes, principalmente centro-americanos, morreram em um acidente de caminhão no México enquanto se dirigiam para o norte.

Consulte Mais informação: América Latina e Caribe 2020: Da devastação da COVID-19 ao desafio do artista cubano.

Acho que é importante avaliar a magnitude desta crise no momento. Por exemplo, entre seis e oito milhões de venezuelanos deixaram a Venezuela como resultado do colapso da economia e da democracia do país. E eles influenciaram principalmente a política doméstica onde quer que fossem.

Na Colômbia, nasceu uma grande reação negativa. no Peru e Equador; No Chile, a xenofobia – como candidata – está em alta [have] Fez campanha com base no retorno desses imigrantes.

Equipes de resgate colocam os corpos de mais de 50 migrantes, principalmente centro-americanos, que morreram quando o caminhão em que foram embalados bateu em Tuxtla Gutierrez, no México, no início deste mês, quando eles estavam a caminho da fronteira com os Estados Unidos.

E é claro que você pode dizer o mesmo sobre a crise migratória na América Central – que agora é um fenômeno global, como os haitianos que vêm através da caravana centro-americana ou os refugiados da África e do Oriente Médio. Claro, a influência política foi sentida aqui nos Estados Unidos. É provável que isso piore.

HaitiansBorderPatrolDelRio.jpeg
Agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA repatriados a cavalo imigrantes haitianos que buscavam asilo na margem do Rio Grande, em Del Rio, Texas, no verão passado.

Minha escolha número três é um pouco mais feliz: grande parte da América Latina transformou a tragédia da vacinação contra o coronavírus da região em um triunfo. Em março passado, o Brasil deu apenas três doses da vacina para cada 100 pessoas, em comparação com 18 para cada 100 pessoas nos Estados Unidos. Mas, no início deste mês, dois terços da população do Brasil estavam totalmente imunizados. E o Equador também. no Chile 84%; Cuba 82 por cento.

Vacinação do Equador 2021.jpeg
Uma mulher recebe a vacinação contra o coronavírus COVID-19 em Guayaquil, Equador, em junho.

A vergonha é que, em muitos países, as autoridades de saúde tiveram que superar um bloqueio de vacina para líderes como o presidente de direita Jair Bolsonaro ou o presidente mexicano de esquerda Andres Manuel Lopez Obrador – e, bem, Eduardo, o fato de que os Estados Unidos e outros países desenvolvidos não doaram mais doses para a América Latina antes?

READ  Qual a forma de titularidade do IRB-Brasil Resseguros SA (BVMF: IRBR3)?

Acho que você está certo, e isso é algo que muitos países latino-americanos apontaram. Mas, novamente, não há uma tradição de fazer esse tipo de grande doação de vacinas, então acho que o governo Biden está tentando se recuperar.

Sua segunda história também estava relacionada ao COVID, e esse é o profundo buraco econômico que a pandemia perfurou para a maioria dos países.

GachancipaColombiaProtests.jpeg
Manifestantes colombianos, irritados com o plano do governo de aumentar os impostos durante uma pandemia que sufocou sua economia e meios de subsistência, e confrontos entre a polícia em Gácáncipa em maio.

A região como um todo estava completamente despreparada para tal epidemia. A América Latina já estava enfrentando uma desaceleração econômica à medida que seus mercados de exportação desaceleravam. Mais importante, esta é uma parte do mundo com um grande número de pessoas na economia informal [who can’t afford to go on economic lockdown]. E você tem que entender isso, para os Estados Unidos, a capacidade de todos, exceto alguns desses países, de fornecer incentivos econômicos para manter as pessoas fora da pobreza. [during a pandemic] Ou a fome absoluta não é muito alta.

Portanto, tentar impor bloqueios só piorou as coisas – e o impacto econômico, é claro, acabou reduzindo o produto interno bruto em média em cerca de 8%.

Minha segunda opção é Cuba. Vimos protestos de rua em outras partes da região, especialmente na Colômbia. Mas as manifestações antigovernamentais que eclodiram em Cuba em julho – alimentadas pela raiva pela falta de quase tudo, especialmente dos direitos humanos, sem falar do hino de protesto, “Pateria y Vida”, que ganhou um Grammy Latino de Canção do Ano – eram sem precedentes.

PatriayVida.jpeg
O rapper cubano Yotwill Romero (centro) e outros cantores cubanos no videoclipe de Patria y Vida

No entanto, também vimos a previsível campanha do regime comunista com mão de ferro. A agitação levará a qualquer mudança real na economia em declínio da ilha ou em sua repressão política?

READ  Ações ENGIE Brasil Energia SA

Acho que não, porque a comunidade internacional hoje carece de qualquer tipo de capacidade de impor regulamentos [like Cuba’s] Mudar seu comportamento, principalmente no aspecto dos direitos humanos, sem falar na eliminação desses regimes.

A tendência de governo autoritário na região se tornou mais séria em 2021 – e não é mais uma questão de esquerda ou direita, um exemplo é o presidente salvadorenho Neb Bokel.

Eduardo Jamara

Este é um bom caminho para a sua primeira história do ano na América Latina e no Caribe: como a democracia está mais uma vez ameaçada na região. Quão séria é a nova tendência para o governo autoritário?

Eu acho muito perigoso. Claro que temos regimes de esquerda em Cuba, Venezuela e Nicarágua. Mas isso não é mais uma questão de esquerda ou direita – um exemplo é o presidente Neb Bukele de El Salvador [where a Congress he controls summarily removed Supreme Court justices this year who oppose his agenda, including presidential re-election].

Ele analisa a tendência de concentração de poder no Executivo, especialmente o controle sobre o Judiciário e a forma como a justiça é administrada na região. Temos situação semelhante no Brasil com o presidente Bolsonaro.

NayibBukele0521.jpeg
O presidente salvadorenho, Neb Bukele (ao centro, usando uma faixa), no Congresso em San Salvador em junho.

Os Estados Unidos, especialmente com sua recente cúpula pela democracia, estão tentando dizer: “Veja, temos que enfrentar essa tendência autoritária”, mas é uma tarefa muito grande.

Basta lembrar que, no caso de Bukele, a maioria dos salvadorenhos parece satisfeita com o que ele está fazendo. Ou veja as fotos enganosas [November] reeleição [authoritarian President] Daniel Ortega na Nicarágua – que teve apoio excepcional de outros países da região como Cuba, Venezuela e Bolívia e nenhuma condenação clara de países como a Argentina.

READ  MERCADOS EMERGENTES - Empresa Latam FX; A ação da Pemex coloca a classificação de crédito do México em destaque

Minha primeira história é o Haiti: o assassinato não resolvido do presidente Jovenel Moise em julho; grande terremoto em agosto; Colapso econômico – gangues de rua violentas e sequestros de resgate tomam conta da maior parte do país. Na verdade, muitos haitianos agora consideram o líder da aliança de gangue – e ex-policial – Jimmy “Barbeque” Scherezer o homem mais poderoso do país.

Queda livre

O termo “estado falido” não parece forte o suficiente para descrever o que aconteceu com o Haiti. O que os Estados Unidos e a comunidade internacional podem fazer neste ponto, se é que podem fazer alguma coisa, para impedir a queda livre do país? E deve o governo Biden, como resultado, deportar haitianos para o país sob essas circunstâncias?

Não, não faz sentido deportar haitianos para um estado nesse estado. Não há nenhum governo lá no momento. Os Estados Unidos e a comunidade internacional têm muito que fazer, mas não estão fazendo. Eles devem primeiro resolver o colapso da segurança pública no Haiti antes de realizar novas eleições. Mas até agora não houve um verdadeiro apelo à ação. E, a menos que haja um apelo à ação, 2022 pode levar a algo pior.

Então, esperemos um 2022 melhor.

Espero que sim, Tim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *