Programa de vacinação COVID-19 do Brasil está em risco por não atender a segunda dose

Cidadão recebe dose da vacina AstraZeneca Coronavirus (COVID-19), durante o Dia da Vacinação para cidadãos de 57 anos e idosos, em Duque de Caxias, próximo ao Rio de Janeiro, Brasil, 21 de abril de 2021.REUTERS / Ricardo Moraes / Foto do arquivo

O programa de vacinação COVID-19 do Brasil está em risco porque as pessoas não comparecem para a segunda injeção, com 1,5 milhão de pessoas não comparecendo às consultas para a dose de acompanhamento necessária para atingir a proteção máxima, de acordo com o Ministério da Saúde.

Especialistas dizem que isso é particularmente alarmante depois que um estudo recente do mundo real do Chile descobriu que a vacina COVID-19 Sinovac Biotech (SVA.O), que responde por cerca de 80% do programa do Brasil, é apenas 16% eficaz após uma única injeção .

“Sem as duas doses, não teremos proteção completa, nem proteção longa”, disse Juarez, que é presidente da Associação Brasileira de Imunização, à Reuters. “Precisamos de pessoas para fazer o ciclo completo.”

Nesta semana, mais pessoas morriam de COVID-19 no Brasil do que em qualquer lugar do mundo, com o presidente Jair Bolsonaro amplamente criticado por se opor a medidas de bloqueio e por pressionar por tratamentos como a hidroxicloroquina, que oferecem pouco ou nenhum benefício. A Índia já ultrapassou o Brasil em mortes diárias.

No total, Covid-19 já ceifou mais de 380.000 vidas no Brasil, o segundo maior número de mortes no mundo depois dos Estados Unidos.

O programa de vacinação do país também errou repetidamente as metas devido à escassez de doses causada pelo atraso na entrega de ingredientes ativos da China e da Índia.

Agora, as pessoas que não comparecem para a segunda dose é uma preocupação adicional.

READ  Plano de vacinas da Nova Zelândia, registro de mortes no Brasil: atualização de vírus

Especialistas e autoridades envolvidas na campanha disseram que o baixo comparecimento parece ser devido à má comunicação, com as pessoas não percebendo a importância do segundo tiro ou simplesmente esquecendo quando deveriam ir.

Em alguns casos, eles disseram, as pessoas podem ter ficado desanimadas com uma forte reação à primeira dose, que muitas vezes pode causar febres e dores no corpo a curto prazo. Também houve longas filas em alguns locais de vacinação, o que poderia prejudicar os grupos prioritários expostos ao COVID-19.

Em resposta a um pedido de comentário, o Ministério da Saúde disse que estava preparando uma campanha na mídia nacional para aumentar a conscientização sobre a importância de obter a segunda injeção. Ele não comentou por que tantas pessoas não compareceram para completar o esquema de vacinação.

O ministério disse anteriormente que os problemas não eram devidos à falta de vacinas, com as segundas doses sendo adiadas para garantir que estivessem disponíveis a tempo.

Mas com muitas das segundas doses restantes e com a promessa de entregas futuras, o ministério mudou suas diretrizes no mês passado para permitir que todas as doses fossem liberadas como primeiras doses.

Isso contrasta fortemente com o Chile, onde a estratégia de vacinação mudou para priorizar as segundas doses em vez de dar a mais pessoas uma dose inicial.

A maior economia da América do Sul tem uma história orgulhosa de campanhas de vacinação bem-sucedidas, e as pesquisas mostram que a grande maioria dos brasileiros deseja vaciná-los. Mas os cientistas temem que a mensagem sobre os segundos disparos não esteja aparecendo.

Disse Cristina Bonorino, membro da comissão científica da Sociedade Brasileira de Imunologia.

O estudo no Chile, que analisou a eficácia da vacina entre 10,5 milhões de pessoas, descobriu que a eficácia na proteção contra doenças sintomáticas aumentou de 16% para 67% com a segunda dose de Sinovac. Já a vacina AstraZeneca (AZN.L), que compõe o restante das vacinas brasileiras, tem 76% de eficácia duas semanas após a primeira injeção.

READ  As ações da Telefonica Brasil SA parecem estar bem avaliadas

“Se uma pessoa não receber a segunda dose, não há absolutamente nenhuma garantia de que a vacinação funcionará”, disse Bonorino.

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *