Portugal inicia vacinação das forças de segurança ao abrigo do plano nacional de vacinação

Em 12 de fevereiro, Portugal começou a administrar vacinas COVID-19 a mais de 40.000 forças policiais como parte de seu plano nacional de vacinação lançado no mês passado. As autoridades de saúde já vacinaram pelo menos 15 mil bombeiros portugueses, após vacinarem idosos em lares de idosos e unidades de cuidados prolongados, naquela que o Primeiro-Ministro português Antonio Costa descreveu como “a fase mais exigente do país até ao momento”. Anteriormente, a Ministra da Saúde, Marta Timido, disse durante uma conferência de imprensa sobre o emergente vírus corona que os portugueses iriam vacinar “serviços básicos, começando por: especialistas de emergência antes de entrarem no hospital, bombeiros, trabalhadores da linha da frente, forças de segurança e entre eles, membros de “corpos soberanos”, funcionários do governo e tribunais. Em 1º de fevereiro, o país começou a vacinar pessoas com mais de 50 anos e outras em risco de desenvolver comorbidades, como doenças cardíacas, insuficiência cardíaca, insuficiência renal ou doença pulmonar obstrutiva crônica, de acordo com relatos da mídia local.

[Nurses tend to a patient in a COVID-19 Intensive Care Unit at the Curry Cabral hospital in Lisbon, Portugal. Credit: AP]

Em janeiro, Portugal celebrou um acordo para a compra de 99.450 doses adicionais da vacina Pfizer COVID-19, totalizando 411.600 doses até dezembro de 2020. O país europeu pretende vacinar cerca de um milhão de pessoas entre janeiro e abril. Em um comunicado, o governo de Portugal anunciou que havia cerca de 400.000 pessoas em seu grupo de alta prioridade que corriam alto risco de contrair COVID-19 grave. Além disso, o plano de vacinação incluiu quase 300.000 trabalhadores médicos de linha de frente e socorristas, incluindo forças de segurança, e até 250.000 trabalhadores em lares de idosos. Em nota ao residente português, o Primeiro-Ministro Costa disse que depois de efectuada a vacinação dos trabalhadores essenciais da linha da frente, o país vai passar a vacinar o resto da sua população. Disse que seria um “desafio a todos os desafios”, acrescentando que o esforço exigiria “uma grande capacidade de mobilização de todas as unidades de saúde”.

READ  Covid-19: O que se sabe sobre a nova variante do coronavírus encontrada em Manaus (e no Japão) | Vírus Corona

Leia: Portugal se prepara para estender o bloqueio à medida que casos COVID-19 diminuem

Ler: As esperanças aumentam em Portugal, mas o COVID-19 continua a criticar os hospitais

7 milhões serão vacinados até setembro

Pelo menos 0,69 por cento da população total já recebeu duas doses de Pfizer, enquanto até 2,66 por cento receberam uma única injeção. O país está agora formulando um plano para vacinar 69,31% da população para obter imunidade coletiva contra a vacinação. Além disso, Costa citou os esforços de compra de vacinas na União Européia, dizendo que o sindicato está competindo para que as empresas de vacinas cumpram os contratos e aumentem a capacidade de produção para agilizar o processo de vacinação. Mas ele concluiu que apesar da vacinação, os moradores são obrigados a continuar tomando medidas de segurança sanitária porque vacinar o resto da população foi um “processo longo”. Portugal pretende vacinar cerca de 7 milhões de pessoas até ao final de setembro.

Leia: Presidente de Portugal sobre a extensão do seguro antivírus

Leia: Portugal recebe mais ajuda europeia porque as mortes por vírus continuam altas

(Crédito da imagem: AP)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *