Portugal encontrou 13 casos da variante Omicron no Lisboa Futebol Clube

Um homem com máscara protetora devido à doença do coronavírus (COVID-19) caminha no centro de Lisboa, Portugal, 25 de novembro de 2021. REUTERS / Pedro Nunes

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

  • A variante foi diagnosticada após jogo do SAD Belenenses com o Benfica
  • O jogador do Belenenses voltou recentemente da África do Sul
  • Conquistando a liga em condições de jogo

LISBOA (Reuters) – Portugal detectou nesta segunda-feira 13 casos do vírus omicron, todos envolvendo jogadores e técnicos da equipa de futebol de primeira classe do Belenenses, um dos quais regressou recentemente da África do Sul, informou a autoridade sanitária portuguesa.

Os diagnósticos foram feitos após o FC Lisboa ter disputado um jogo da Liga espanhola com o Benfica, no sábado, que começou com apenas nove jogadores do Belenenses em campo devido ao surto do COVID-19.

Apenas sete jogadores regressaram a campo ao fim da primeira parte, tendo o encontro terminado aos dois minutos da segunda parte com o Benfica a vencer por 7-0. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

O zagueiro Cafu Fete do Bellenses testou positivo para COVID-19 depois de retornar do serviço internacional na África do Sul em 17 de novembro, e outros 12 foram confirmados no clube na segunda-feira com a fórmula Omicron, que foi descoberta na semana passada na África do Sul.

Na segunda-feira, mais de uma dúzia de países relataram casos da variante, que a Organização Mundial da Saúde disse ter um risco global extremamente alto de aumentos repentinos. Consulte Mais informação

Quase todos os jogadores do Belenenses foram vacinados contra o COVID-19, disse a chefe do DGS Graça Freitas à SIC, acrescentando que todos os contactos de alto e baixo risco serão testados.

READ  Exclusivo: Banco do Brasil retoma venda da Unidade de Gestão de Ativos BB DTVM - Fontes

Um porta-voz do clube disse que a maioria dos feridos não apresentou sintomas ou apresentou sintomas leves, e que 44 jogadores e funcionários foram submetidos ao isolamento e aguardam novos testes.

Os presidentes do Benfica e do Belenenses afirmaram que, se não tivessem jogado, corriam o risco de ser penalizados por “ausência injustificada”. Eles culparam a liga e o DGS por não adiarem a partida.

Na segunda-feira, o Belenenses pediu à liga que cancelasse o jogo de sábado e marcasse o jogo de volta.

A liga, que antes disse não ter recebido um pedido oficial para adiar a partida, estava investigando na segunda-feira se a partida estava de acordo com as regras de saúde. Leia mais A DGS disse que não cabia à autoridade sanitária adiar a partida.

Portugal, que tem uma das maiores taxas de vacinação contra a Covid-19 do mundo, anunciou na semana passada o regresso das restrições para travar a propagação da epidemia. Consulte Mais informação

O Belenenses jogou contra o Caldas, da terceira divisão, no dia 21 de novembro. Um porta-voz de Caldas disse que vão testar os seus jogadores.

Um porta-voz do Benfica disse que nenhum dos jogadores da equipa esteve isolado porque os jogadores do Belenenses que defrontaram no sábado não são considerados de alto risco. O próximo jogo do Benfica está agendado para sexta-feira.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

(Reportagem adicional de Catarina Dimoni e Andre Khalib em Lisboa e Fernando Callas em Madrid; Edição de Ed Osmond e John Stonestreet

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *