Portugal combate os incêndios florestais em meio à seca e ao calor; 29 feridos

LISBOA, Portugal (AFP) – Mais de 3.000 bombeiros e mais de 60 aeronaves estiveram envolvidos nos incêndios florestais de domingo em Portugal, que as autoridades dizem ter infetado 29 pessoas.

As autoridades disseram que 12 bombeiros e 17 civis precisaram de assistência médica para tratar ferimentos leves causados ​​pelos incêndios, informaram a televisão estatal portuguesa e outros meios de comunicação locais. Na tarde de domingo, a Agência de Proteção Civil de Portugal disse que mais de 3.000 bombeiros estavam lutando contra incêndios ativos.

A União Europeia ativou no domingo o Programa de Assistência ao Combate a Incêndios da Frota Aérea que permite aos estados membros compartilhar recursos para ajudar Portugal. A Espanha, que também sofreu recentemente com incêndios florestais, respondeu rapidamente mobilizando dois aviões de combate a incêndios para serem enviados ao seu vizinho ibérico, segundo o comissário de crise da UE, Janez Lenarcic.

O governo português disse que implantou 60 aeronaves para apoiar suas equipes de terra.


Portugal sofre há muito tempo com grandes incêndios florestais, às vezes trágicos. Em 2017, incêndios florestais fora de controle mataram mais de 100 pessoas.

A União Europeia diz que as mudanças climáticas deixaram o continente enfrentando um de seus anos mais difíceis devido a desastres naturais, como secas e incêndios florestais.

O gabinete do primeiro-ministro português António Costa disse que os seus planos de visita a Moçambique esta semana foram adiados, “à luz das previsões meteorológicas que indicam uma exacerbação muito grave do risco de incêndios rurais”.

O Presidente português Marcelo Rebelo de Sousa também cancelou a sua viagem a Nova Iorque, onde deveria discursar no Conselho Económico e Social das Nações Unidas.

READ  Dar aos presidentes poder de marketing para públicos na Alemanha e no México

Em junho, 96% dos países do sul da Europa foram classificados como sofrendo de seca “extrema” ou “grave”.

Os incêndios fizeram com que as autoridades levantassem o estado de alerta já existente. O governo português declarou sábado estado de alerta máximo que durará até sexta-feira.

“Isso significa (…) que podemos ativar automática e preventivamente todos os planos de emergência e proteção civil em todos os níveis regionais”, disse o ministro da Administração Interna, José Luis Carneiro.

Os incêndios florestais ocorrem quando Portugal sofre uma onda de calor com temperaturas estimadas em 43 graus Celsius (109 graus Fahrenheit). O país adotou restrições que impedem o acesso do público a florestas consideradas particularmente perigosas, proibiu o uso de máquinas agrícolas e proibiu fogos de artifício.

Costa, em mensagem no Twitter, lembrou aos cidadãos que não iniciem incêndios ao ar livre ou usem máquinas agrícolas pesadas que possam causar faíscas.

“Prevenir incêndios é a melhor ajuda que podemos dar aos nossos bombeiros”, escreveu o primeiro-ministro.

___

Siga todas as histórias da AP sobre questões de mudança climática em https://apnews.com/hub/climate.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.