PIB do Brasil cai com estagnação da recuperação na segunda onda de COVID-19

BRASÍLIA (Reuters) – A economia do Brasil contraiu-se ligeiramente nos três meses até junho, informou a agência de estatísticas do governo brasileiro na quarta-feira, parando mais do que o esperado quando uma segunda onda da pandemia atingiu a demanda.

A queda de 0,1% no PIB do Brasil em relação ao trimestre anterior foi pior do que a previsão mediana de crescimento de 0,2% em uma pesquisa da Reuters e representou uma forte desaceleração em relação ao crescimento de 1,2% no primeiro trimestre.

A recuperação econômica do Brasil vacilou quando uma segunda onda severa de casos de COVID-19 desencadeou restrições nas principais cidades durante abril e maio, prejudicando o consumo doméstico e a fabricação.

No entanto, mais gastos do governo e atividades de serviços ajudaram a evitar uma desaceleração mais ampla, compensando a queda nos investimentos fixos e a fraca produção agrícola durante uma safra ruim de café.

A inflação também aumentou durante a recuperação, levando o banco central a aumentar drasticamente as taxas de juros e reduzir as expectativas para o ano que vem, quando o presidente Jair Bolsonaro enfrenta uma difícil batalha para ganhar a reeleição.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse aos parlamentares que os últimos dados do PIB podem reduzir as expectativas do mercado para o crescimento este ano.

“Com os números de hoje, achamos que pode haver um ligeiro ajuste para baixo. Vamos ver”, disse ele em audiência no Congresso.

Mas o ministro da Política Econômica, Adolfo Sachida, disse à Reuters que a previsão anual do Ministério da Economia não deve mudar e que a economia do Brasil ainda deve crescer mais de 5% este ano.

Com as taxas de vacinação em alta e os casos de coronavírus caindo, as previsões de crescimento para 2021 em uma pesquisa semanal do banco central de economistas saltaram para 5,3% neste mês, antes de se estabelecerem em 5,2% na última pesquisa.

READ  'Eles têm uma opinião muito clara' - O técnico do Brasil, Tite, diz que alguns jogadores se opõem à Copa América em casa

“A pandemia está melhorando, a economia está se abrindo, então as perspectivas são mais positivas no terceiro trimestre e no final do ano, se a vacinação realmente avançar”, disse Carlos Pedroso, economista-chefe do Banco MUFG Brasil.

No entanto, ele alertou que as secas severas continuarão a prejudicar o agronegócio e aumentar os riscos de racionamento de energia se os reservatórios das principais usinas hidrelétricas secarem.

O vice-presidente Hamilton Muraw disse na quarta-feira que a seca, uma das piores do século passado, pode levar ao racionamento de energia, ao contrário de outras autoridades. Consulte Mais informação

Apesar da estagnação no segundo trimestre, a atividade foi 12,4% maior do que no ano anterior, quando a pandemia atingiu a economia brasileira. Economistas esperavam alta de 12,8%.

Aumento da demanda, uma moeda fraca e preços mais altos de commodities e energia empurraram a inflação de 12 meses do Brasil para quase 9%, forçando o banco central a aumentar as taxas de juros no máximo em 18 anos e eliminar as expectativas de uma política “neutra”.

Fontes do banco central disseram à Reuters que estavam cientes de que Bolsonaro não estava satisfeito com uma lei recente para aumentar a independência do banco central, mas que ele não pressionou diretamente a política monetária.

Os formuladores de política do banco também expressaram críticas indiretas aos seus esforços para aumentar os gastos públicos para ganhar votos.

Cobrindo Marcela Ayres, de Brasília; Reportagem adicional de Camila Moreira em São Paulo e Rodrigo Vega Gayer no Rio de Janeiro; Escrito por Brad Haynes Edição por Daniel Flynn, Mark Porter e Bernadette Baum

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

READ  O CDPQ canadense está buscando mais investimentos em infraestrutura para a América Latina e o Caribe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *