Petrobras quebra estimativas de lucros em meio a desinvestimento e guerra na Ucrânia

Uma visão geral dos tanques da estatal petrolífera brasileira Petrobras após o anúncio dos preços atualizados dos combustíveis na petroleira brasileira Petrobras em Brasília, Brasil, 17 de junho de 2022. REUTERS/Ueslei Marcelino

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Petrobras disse nesta quinta-feira que superou as estimativas de lucro e margem no segundo trimestre, impulsionada por desinvestimentos e margens mais altas em seus negócios de combustível e gás natural.

No depósito de valores mobiliários, a Petróleo Brasileiro SA (PETR4.SA), como a estatal petrolífera é oficialmente conhecida, registrou um lucro líquido de 54,33 bilhões de reais (US$ 10,5 bilhões). Isso representa um aumento de 26,8% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou bem acima da estimativa de consenso da Refinitiv de 38 bilhões de riais.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ou EBITDA, ajustado por alguns fatores não recorrentes, foi de 98,26 bilhões de riais, um aumento de 58,6% em termos anuais e bem acima da estimativa da Refinitiv de 83,2 bilhões de riais.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Nos comentários que acompanham os números, a Petrobras atribui seus resultados à alta dos preços do petróleo Brent, bem como à melhora das margens de sua atividade em gás natural e combustíveis, que incluem gasolina, diesel e diversos outros derivados de petróleo.

O desinvestimento de parte de seus campos offshore de Atabo e Sepia para duas petrolíferas estatais ajudou a aumentar os lucros, enquanto a busca global por fontes alternativas de petróleo devido à guerra na Ucrânia também favoreceu a empresa.

READ  Chuva atrapalha safra de soja do Brasil neste mês - analistas

A Petrobras disse que a guerra teve um enorme impacto em seus mercados de exportação, com compradores asiáticos recebendo petróleo russo abandonado por compradores europeus e norte-americanos.

A empresa disse que o percentual das exportações da Petrobras compradas pela China, por exemplo, caiu de 38% para 15%, enquanto as exportações para a Europa aumentaram significativamente.

(1 dólar = 5,18 riais)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem de Gram Slattery. Reportagem adicional de Roberto Samora em São Paulo. Edição por Sandra Mahler e Chris Reese

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.