Parlamento francês suspende debate sobre coronavírus em meio à raiva pelos comentários de Macron

  • O presidente Macron quer que mais pessoas sejam vacinadas
  • MPs da oposição chateados com o comentário de Macron
  • Parlamento considera nova lei sobre COVID-19

PARIS (Reuters) – O parlamento francês suspendeu o debate sobre uma nova lei contra o coronavírus na manhã de quarta-feira, enquanto legisladores da oposição exigiam esclarecimentos ao presidente Emmanuel Macron sobre comentários que ele queria “indignar” pessoas não vacinadas.

Com a eleição presidencial se aproximando em abril, que ele deve disputar, Macron pode ter estimado que um número suficiente de pessoas já foram vacinadas – e chateado com as que não o fizeram – de modo que seus comentários atrairão os eleitores.

Mas a entrevista ao jornal Le Parisien, publicada na noite de terça-feira, foi recebida com condenação generalizada dos legisladores da oposição, que forçaram a suspensão do debate sobre as novas restrições.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

O projeto de lei exigiria que as pessoas apresentassem comprovante de vacinação para entrar em um restaurante, cinema ou pegar um trem.

Na entrevista, Macron disse ainda que as pessoas não imunizadas são “irresponsáveis” e que pretende complicar tanto a vida delas que acabam por tomar a vacina.

“Pessoas irresponsáveis ​​não são mais cidadãos”, disse ele em outro comentário criticado pela oposição.

“Nenhum presidente pode dizer essas coisas”, disse o deputado Christian Jacob, que chefia o partido republicano conservador de oposição. “Eu apoio a declaração da vacina, mas não posso apoiar um texto cujo objetivo é ‘inflamar a ira’ dos franceses.”

“É esse o seu objetivo, sim ou não? Não podemos continuar a discussão sem obter uma resposta clara para isso.”

READ  A Espanha esperava que os separatistas desaparecessem na Catalunha. Eles estão ganhando terreno.

Outra oposição ecoou os comentários de Jacob e pediu ao primeiro-ministro Jan Casteks que viesse falar com eles. A sessão foi suspensa pouco antes das 2h (01h GMT) e estava programada para retomar às 15h

Historicamente, a França tinha mais céticos quanto à vacinação do que muitos de seus vizinhos, e as restrições à pandemia geraram muitos protestos nas ruas, mas agora tem uma das maiores taxas de vacinação contra COVID-19 na União Europeia. Quase 90% dos franceses de 12 anos ou mais foram vacinados.

Na entrevista, em que respondeu a perguntas de um pequeno grupo de leitores do Le Parisien, Macron não disse se vai concorrer à reeleição, mas disse que “gostaria”.

Os comentários “irritar” – “emmerder” é um verbo coloquial que também pode ser traduzido como “irritar” – foram feitos em resposta a um desses leitores, uma enfermeira, que lhe perguntou sobre a postergação de cirurgias para alguns vacinados porque os hospitais estão lotados tratamento de pacientes não vacinados com COVID-19.

Por vários meses, as pessoas tiveram que mostrar evidência de vacinação ou teste negativo para COVID-19 em muitos locais públicos. Mas, com o aumento das infecções nas variantes Delta e Omicron, o governo decidiu retirar a opção de teste no novo projeto de lei. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

(Relatório) por Benoit van Overstreten e Ingrid Melander; Edição de Dominic Vidalon e Timothy Heritage

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.