Para onde ir: a luta dos ‘refugiados’ brasileiros após o despejo | Notícias da pandemia do vírus Corona

Itaguai, Brasil – Mianni Cristina se considerou sortuda. Seu empregador a manteve durante a primeira onda devastadora de infecções por COVID-19 no Brasil em 2020. Sua renda mensal de pouco mais de 1.000 reais ($ 190) e uma doação mensal do governo de 41 reais ($ 8) mantiveram ela e seus três filhos à tona – mal .

Então, uma segunda onda devastadora de COVID-19 atingiu o país. Christina perdeu o emprego. O trabalho informal de que dependiam suas duas filhas mais velhas, de 20 e 18 anos, desapareceu. Os preços dos alimentos e do gás aumentaram.

“Perdi toda a minha entrada e não posso mais pagar o aluguel”, disse Christina, uma ex-assistente de serviços públicos de 46 anos, à Al Jazeera.

O governo do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro congelou os pacotes mensais de ajuda emergencial de 600 reais (US $ 114) que vinha fornecendo e Cristina teve que esperar três meses para que fossem retomados.

Abril chegou e após meses de atrasos no pagamento do aluguel, um despejo estava se aproximando. A despensa de Cristina estava cada vez mais vazia. Mas ela disse que foi informada de que não se qualificava para a nova assistência governamental mensal reduzida porque ainda estava registrada como funcionária. Ela sabia que estava prestes a perder sua casa na favela no bairro pobre de Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

Policiais chegaram para evacuar as pessoas do campo de refugiados de 1º de maio em 1º de julho [Ian Cheibub/Al Jazeera]

Então, quando o ex-colega de classe de Christina enviou a ela uma mensagem no WhatsApp sobre a criação de um novo assentamento em um terreno abandonado a cerca de 14 quilômetros de sua casa, ela desenraizou sua família e esperou por um dia melhor.

Mas menos de dois meses depois, quando Christina olhou para a linha da polícia militar estadual que havia bloqueado a entrada do terreno que fora sua casa nos últimos meses, essa esperança se perdeu.

Em 1º de julho, a polícia expulsou uma comunidade de 3.000 pessoas do amplo campo de 1.792 acres no Itaguai, na periferia oeste do Rio, que apelidaram de “Campo de Refugiados de 1º de maio” – incluindo seus três filhos.

“Não temos para onde ir”, disse Christina.

lute para sobreviver

O acampamento foi o mais recente e talvez o exemplo mais abrangente dos assentamentos informais que se espalharam por todo o país em meio à crise contínua do COVID-19 no Brasil e é um símbolo do fracasso de Bolsonaro em mitigar efetivamente o golpe econômico da pandemia do coronavírus.

READ  O primeiro caso conhecido de uma variante do coronavírus no Brasil foi relatado em Minnesota

Longe dos conflitos urbanos e das comunidades dominadas pelo crime que seus residentes deixaram para trás, o acampamento – com suas barracas de plástico biodegradáveis ​​e quitinetes de bambu espalhadas entre palmeiras altas – simbolizou um novo começo e ofereceu aos residentes a oportunidade de finalmente terem uma conexão com os seus próprios. casa.

Jessica Soares, uma residente do acampamento de 1º de maio, posa para uma foto em frente à sua tenda em 15 de junho, duas semanas antes do despejo. [Ian Cheibub/Al Jazeera]

Em apenas dois meses, os ocupantes montaram um tanque de água doce, pequenas lojas locais e uma iniciativa de reciclagem. Eles faziam três refeições por dia graças às doações de alimentos, e seus filhos podiam jogar futebol no campo empoeirado atrás do acampamento.

Eles planejaram construir casas permanentes neste campo, bem como uma escola e cultivo de hortaliças para que as famílias pudessem se alimentar localmente.

Mas os autoproclamados “refugiados epidêmicos” prejudicaram a estatal Petrobras, proprietária das terras que ocuparam.

Em 1986, a empresa destinou o terreno para a construção de um parque petroquímico, mas o projeto foi transferido para a vizinha cidade de Itaburi, deixando a área desocupada por três décadas.

Milhares de pessoas viviam em cabanas e tendas no campo antes de serem expulsas após dois meses de instalação lá [File: Mario Lobao/AP Photo]

Ao saber do assentamento ali, a Petrobras procurou expulsar a comunidade. Já o desembargador Alexandre Eduardo Cicino, da 20ª Câmara Cível do Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, declinou no dia 7 de maio, reconhecendo que o caso trata de “um grande número de pessoas em situação de vulnerabilidade social e econômica”.

Os moradores do acampamento de 1º de maio foram condenados a ficar, até que o Ministério Público do Estado do Rio reavaliasse os riscos do COVID-19 no final do ano.

As taxas de infecção continuam altas e pouco mais de 10% das pessoas no estado do Rio de Janeiro foram totalmente vacinadas, de acordo com um programa de rastreamento desenvolvido pelo grupo de mídia Globo.

A Petrobras então entrou com uma nova ordem de restauração de propriedade alegando “fatos novos” no Superior Tribunal de Justiça, que anulou a decisão do juiz Cicínio na semana passada, levando ao despejo em 1º de julho.

Uma família descansa após o almoço dentro de sua barraca no acampamento em 15 de junho [Ian Cheibub/Al Jazeera]

O departamento de comunicações da Petrobras disse à Al Jazeera, por e-mail, que a devolução dos bens estava em conformidade com uma ordem judicial e com o apoio das autoridades de assistência social e da polícia. “Foi prestada ajuda às famílias”, acrescentou o e-mail.

“As equipes do Itaguai cadastraram pessoas que manifestaram interesse em ir para os abrigos”, disse a empresa em nota. “A Petrobras financia alimentos, esteiras, cobertores, kits de álcool gel e máscaras para as famílias encaminhadas aos abrigos. Também está previsto o transporte até as rodoviárias próximas ao município de Itaguai e a armazenagem e estocagem das mercadorias é realizada em depósito contratado pela Petrobras.”

READ  Em seguida, limite o crescimento do aminoácido L-valina que alimenta os aminoácidos de cadeia ramificada no setor de ração animal

Mas muitos moradores de 1º de maio disseram que mais uma vez se viram nas ruas.

Depois que a polícia expulsou pessoas do acampamento de 1º de maio, muitos moradores perderam seus poucos pertences [File: Silvia Izquierdo/AP Photo]

Um mês depois, o Supremo Tribunal Federal decidiu suspender os despejos de assentamentos irregulares pelos próximos seis meses em todo o país, mas apenas para assentamentos erguidos antes de 20 de março de 2020.

Anderson Lopez Miranda, coordenador da campanha pelo direito à moradia Despigo Zero em São Paulo, disse à Al Jazeera que sua equipe está lutando para tornar esta provisão permanente para todos os assentamentos montados durante a pandemia.

Mas isso não será decidido até que a proibição temporária de empregos seja revista no final de 2021, deixando mais de 64.546 famílias em risco de despejo, de acordo com a campanha.

Alto custo de vida

O despejo de 1º de maio destacou a resposta sem brilho de Bolsonaro às crises de saúde, econômica e habitacional do país.

Em abril, Bolsonaro declarou novamente que “o retorno do direito de homens e mulheres ao trabalho no país é essencial”, mas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apurou que, devido à prolongada crise do COVID-19, a taxa de desemprego no Brasil subiu para um recorde de 14,7 por cento no primeiro trimestre do ano 2021.

Segundo Cloviomar Carrarin, economista e analista do Departamento de Estatística e Estudos Sociais e Econômicos, o corte da ajuda emergencial, junto com a inflação, deixou mais de 19 milhões de brasileiros lutando para fornecer alimentos e outras necessidades básicas.

Os residentes do acampamento sentaram-se em um campo aberto com o que restou de seus pertences após serem despejados do local em 1º de julho [Ian Cheibub/Al Jazeera]

Em parte, isso se deve à política da Petrobras de manter o preço médio nacional do combustível em linha com o preço médio internacional do combustível, além dos custos de importação, explicou Kararin. Os custos mais altos do combustível também podem aumentar os preços de uma variedade de outros bens de consumo e transporte, afetando desproporcionalmente os brasileiros de baixa renda.

“Devido à política de preços da Petrobras, os consumidores brasileiros estão lutando com os preços internacionais. O Brasil se tornou um grande exportador de alimentos básicos como soja, arroz e carne. Os aumentos contínuos nos preços da gasolina e da gasolina estão elevando os custos de transporte – fazendo com que os brasileiros pagar preços em dólar e euro. “.

READ  A economia brasileira está entrando em colapso na sombra da Covid

Isso faz com que a ajuda governamental deste ano esteja longe de ser suficiente para sobreviver.

Jose Costa, 66, um ex-residente do acampamento do Primeiro de Maio, disse à Al Jazeera que ele chegou ao acampamento quando sua ajuda governamental mensal foi cortada pela metade neste ano e ele não conseguia mais pagar suas contas ou aluguel.

“Recebi ajuda, mas não foi o suficiente para pagar a minha conta de luz”, disse ele.

Crise da habitação

Já entre os mais vulneráveis ​​antes mesmo de chegar ao COVID-19, o número de desabrigados no Brasil agora está crescendo.

Um número preocupante de mães solteiras e famílias estão entre as que perderam suas casas, disse Marcelo Machado, pesquisador do núcleo de moradores de rua do Instituto de Saúde Vuecruz da ilha.

“Especificamente no Rio, vemos um grande número de pessoas vivendo nas ruas, incluindo jovens trabalhadores, famílias e mulheres em função da epidemia”, disse Machado à Al Jazeera.

“Nossas políticas públicas pressupõem que pagar aluguel e conseguir alimentação é fácil para todos, mas no momento em que o trabalhador perde a renda, está na rua.

Entre os evacuados do acampamento do Dia de Maio estavam famílias com crianças – uma população que os defensores da habitação alertam que está se tornando uma parte cada vez maior da população de sem-teto do Brasil. [File: Silvia Izquierdo/AP Photo]

Em abril deste ano, o governo cortou o financiamento para construir novas casas para brasileiros de baixa renda do programa “Minha Casa, Minha Vida” em 98 por cento, um movimento que provavelmente deixará mais pessoas desabrigadas, alertam defensores .

Com as vacinas contra o coronavírus ainda faltando meses para crianças e adolescentes – e com a chegada da variante delta mais contagiosa confirmada, bem como o início de temperaturas mais frias no inverno – os próximos meses provavelmente serão difíceis para aqueles que vivem ao ar livre.

O despejo do campo de 1º de maio exacerbou uma situação já difícil para Christina, que disse que perdeu a maioria de seus pertences restantes quando o terreno foi limpo, incluindo documentos de identificação necessários para solicitar ajuda do governo.

“Todos os meus documentos pessoais estavam lá”, disse ela. “Como vamos comer agora?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *