Papa Francisco visita o Canadá: notícias ao vivo e atualizações

atribuído a ele…Mídia do Vaticano

TORONTO – Os últimos internatos administrados pela igreja no Canadá que as crianças aborígenes foram forçadas a frequentar, muitas das quais sofreram abusos, fecharam na década de 1990. Desde então, o governo canadense e as comunidades aborígenes trabalharam para lidar com os extensos danos infligidos lá, que ainda ressoam hoje.

Aqui estão cinco momentos-chave que antecederam o pedido de desculpas que o Papa Francisco entregará às comunidades indígenas na segunda-feira.

Um sistema brutal de abuso em nome da assimilação.

A Lei Indiana de 1876 permitiu que o governo canadense estabelecesse internatos, que eram principalmente administrados pela Igreja Católica Romana e destinavam-se a acomodar crianças aborígenes, apagando sua cultura e idiomas.

Eles foram punidos por falar línguas indígenas, prender o cabelo em tranças ou praticar religião fora do que era ensinado na escola.

Ao longo de um século, cerca de 150.000 alunos frequentaram cerca de 130 escolas, muitos deles abusados ​​sexualmente, desnutridos e doentes devido ao mau tempo. Muitos morreram ou não voltaram para casa.

Com o número de alunos diminuindo, a última escola fechou em 1996, inaugurando um período de avaliação nacional, incluindo investigações oficiais, sobre o tratamento do Canadá aos aborígenes.

Resolver um grande processo de ação coletiva para ex-alunos.

Como resultado de uma ação movida por ex-alunos nas escolas, os tribunais canadenses concordaram com um acordo de classe geral que pagou mais de C$ 3,2 bilhões a quase 28.000 sobreviventes, de acordo com 2021. Repurpor uma comissão independente que supervisiona a liquidação.

Além da compensação financeira, o acordo também incluiu financiamento para outras iniciativas, como memoriais e outros projetos memoriais e um programa que oferece serviços de saúde mental para sobreviventes e suas famílias.

READ  Ministro francês no Mali pressionará o conselho militar sobre os mercenários russos

Uma comissão nacional leva ao reconhecimento de um passado sombrio.

A Comissão Nacional da Verdade e Reconciliação, criada em 2007 como parte do acordo de assentamento, organizou comícios em sete cidades do país para ouvir, entre outras coisas, relatos em primeira mão de povos indígenas que foram enviados para internatos.

Em audiências locais, os sobreviventes compartilharam suas histórias de monges católicos estuprando crianças de até 10 anos e estudantes famintos roubando maçãs dos pomares para comer.

Em 2008, o primeiro-ministro Stephen Harper emitiu um pedido formal de desculpas do governo às comunidades aborígenes.

Evidências de sepulturas não marcadas foram descobertas em internatos.

No ano passado, Tk’emlups te Secwepemc First Nation, na Colúmbia Britânica, disse ter encontrado evidências de Sepulturas não marcadas de 215 crianças Nos terrenos da Kamloops Indian Residential School, que já foi a maior do Canadá, com cerca de 500 alunos.

A descoberta, feita usando radar de penetração no solo, chocou os canadenses e reviveu o discurso nacional sobre os horrores dos internatos.

Várias outras comunidades também relataram descobertas preliminares de sepulturas potencialmente não marcadas em antigos pátios de escolas residenciais. último Junho, Cowess First Nation disse que encontrou 751 possíveis sepulturas não marcadas em uma escola em Saskatchewan.

Uma viagem à Itália e um pedido de desculpas papal.

Na primavera, um Uma delegação de líderes indígenas Do Canadá ao Vaticano, ele recebeu um pedido de desculpas esperado do Papa Francisco.

“Sinto vergonha – tristeza e vergonha – pelo papel que os ‘católicos’ desempenharam nos abusos que você sofreu e no desrespeito à sua identidade, sua cultura e até sua espiritualidade”, disse. Francisco disse. Ele também prometeu viajar para o Canadá e fazer um pedido de desculpas pessoal.

READ  Bloco Balad: Boicotamos as eleições e as reuniões do Knesset até novo aviso إشعار

Ian Austin Reportagem contribuída de Ottawa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.