Os fãs do Brasil não estão com humor para a semifinal da Copa América

Os fãs de futebol do elegante Piraqu Club, no Rio de Janeiro, mal podem esperar para se reunir mais uma vez no bar da piscina para assistir a grandes jogadores lutarem pelo troféu de um grande torneio em estádios lotados, enquanto tomam caipirinhas em silêncio.

Embora a Copa América esteja sendo disputada em sua cidade, eles já estão ansiosos pelo jogo entre Itália e Espanha na terça-feira para chegar à final do Campeonato Europeu.

Brasil e Peru também se enfrentaram nas semifinais na segunda-feira, mas a torcida brasileira mostrou mais indiferença ao torneio do que de costume. Isso não mudou muito depois que a Copa América se classificou para a decisão no sábado, após uma vitória por 1 a 0 sobre o Peru.

A pandemia, a hospedagem de última hora, alguns jogos medíocres e o fato de a emissora mais popular não passar a Copa América atrapalharam o interesse do público.

“A Copa América não é nada divertida, mas desta vez é menos do que isso”, disse Thomas Castro, enquanto planejava se encontrar com amigos para a partida de terça-feira na Euro 2020.

“Minha mãe nunca saberia que a Copa vai começar se eu não contasse. Vejo o Brasil em casa, mas não há clima como o que se vê na Europa com a torcida e todo mundo.”

Nenhum turista que chegar ao Rio perceberá que está acontecendo um grande torneio de futebol na cidade. Sem banners, sem propagandas e sem antecipação óbvia, ao contrário de dois anos atrás, quando o Brasil também hospedou após anos de planejamento e desenvolvimento.

Muitos cariocas, como são conhecidos os cariocas, não seguem estritamente as recomendações de distanciamento social, mas isso não significa que estejam dispostos a passar algum tempo fora de casa para conhecer Cuba.

READ  O número de casos de COVID-19 em todo o mundo ultrapassou 166,4 milhões, com mais de 3,44 milhões de mortes

Nas ruas ao redor do estádio Nilton Santos, dificilmente se pode dizer que ele já recebeu sete jogos em Cuba. Os poucos carrinhos de rua que vendem comida atraem jornalistas, funcionários e alguns moradores que jogam nos portões do estádio vazio.

“Ganhei alguns trocados, o que sempre acontece durante uma pandemia”, disse Celso David enquanto dirigia uma barraca de hambúrguer do lado de fora do estádio.

“Não é muito diferente de outros eventos que realizamos recentemente. Quando o Brasil sediou a Copa 2019, foi um pouco melhor, com mais gente vinda de outros países e turistas brasileiros”.

O Brasil concordou em ser o anfitrião da emergência depois que Argentina e Colômbia foram retiradas como organizadores. Não são permitidos torcedores nos estádios, apesar da insistência do presidente Jair Bolsonaro, que criticou as medidas de bloqueio. Será a mesma coisa na final do sábado, no Maracanã.

Várias restrições à circulação permanecem no Rio e nas outras três cidades-sede, Brasília, Goiânia e Cuiab. Mas o maior obstáculo para a Copa América no Brasil foi a torcida. Como não podiam ir aos jogos, também não estavam muito interessados ​​em assistir na TV.

“Ainda está funcionando?” perguntou a dona de casa Maria Christina Telle.

“Eu assisto o campeonato brasileiro às vezes, mas na Copa América … não assisti nenhuma partida dessa vez. O Brasil enfrentará a Argentina em algum momento?”

O canal dominante da TV Globo no Brasil transmite alguns dos jogos do Euro 2020 no lugar da Copa América, que é exibida no terceiro canal aberto mais popular do país, o SBT, e na ESPN Brasil via cabo. A classificação do SBT no futebol costuma ser um terço da da Globo, o que também se mostrou consistente desta vez.

READ  Casos Recentes de Confidencialidade em Arbitragem no Brasil

Bares nas áreas turísticas do Rio estão exibindo jogos da Copa América, e as autoridades de saúde permitem desde maio que fiquem abertos até dois metros das mesas.

Mas, até agora, nenhum jogo gerou interesse suficiente para atrair grandes encontros. Os bares aparentemente lotados do Rio, principalmente no bairro chique do Leblon, não têm TV e estão cheios de caras ansiosos e paqueradores.

Os organizadores esperam que um pouco dessa tristeza mude se a final tiver Neymar do Brasil contra Lionel Messi da Argentina. Mas mesmo isso pode ser uma luta.

“Sim, se jogarmos com a Argentina, com certeza verei”, disse a dona de casa Tilly.

(O título e a imagem deste relatório podem ter sido retrabalhados apenas pela equipe do Business Standard; o restante do conteúdo é gerado automaticamente a partir de um feed compartilhado.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *