opinião | Minha filha e eu estamos presos na tragédia do Brasil

São Paulo, Brasil – Da varanda do meu apartamento, posso ver o estacionamento de uma ambulância. Há mais de um ano, minha filha de dois anos e meio e eu observamos – com ansiedade e ansiedade – os movimentos das dez ambulâncias estacionadas ali. Este é o tipo de entretenimento que temos agora.

“Olha, outro está de volta!” Ela diz ao apontar para uma ambulância que para e apaga as luzes vermelhas e brancas. Sei que não é uma análise muito rigorosa, mas estou avaliando a gravidade da pandemia olhando para este estacionamento. Desde o início do ano, menos ambulâncias permaneceram no local. Agora, durante o dia, é comum ver apenas um ou dois veículos no estacionamento – nunca por muito tempo. Espere um pouco e eles vão embora, e a sirene dispara, para atender o chamado de alguém.

As estatísticas oficiais confirmam nossas observações. No estado de São Paulo, onde moro ao lado de outras 46 milhões de pessoas, a taxa de internações foi Covid-19. mais que o dobro Nas quatro semanas de 21 de fevereiro a 21 de março. No inicio de abrilEm média, 3.025 pessoas são hospitalizadas por dia – um aumento de 58% em relação ao início do mês anterior. Tento explicar para minha filha, de forma lúdica, que essas ambulâncias levam os pacientes ao hospital, onde eles vão tomar um remédio com sabor de frutas e ficarão bem rapidamente.

Diante desse desfile constante de ambulâncias, tento não parecer desesperada. Estou tentando evitar que minha voz saiba 543 pessoas Eles morreram esperando por um leito hospitalar desde o final de fevereiro somente em São Paulo, com mais de 370 mil pessoas perdendo suas vidas em todo o país – e o pior ainda está por vir. (Afinal, no hemisfério sul, o inverno está chegando.) Mas não posso esconder a impotência e a raiva que sinto, presa em um minúsculo apartamento sabe-se lá quanto tempo, vendo a tragédia se desenrolar.

READ  ICL concorda em adquirir Fertiláqua, empresa brasileira líder em nutrição vegana especializada

Houve uma grande pausa. No início de fevereiro, meu marido e eu matriculamos nossa filha em uma escola particular com muitas árvores e ar fresco. As salas de aula são espaçosas e bem ventiladas, e muitas aulas são ministradas ao ar livre. Eu nunca a vi tão feliz. Seu desenvolvimento social e emocional disparou. Ela cantou aleatoriamente e falou sobre seus novos amigos.

conversa de opinião
Perguntas e perguntas sobre a vacina Covid-19.

Mas, no início de março, ela testou positivo para o coronavírus. Ela tinha sintomas leves: febre baixa, coriza e tosse. Demos a ela 14 gotas de paracetamol, do qual ela não gosta, uma vez a cada seis horas, durante três dias. fielmente cumprido. Seus colegas e professores também estão isolados há 14 dias, embora ninguém mais tenha sido infectado. recuperado rapidamente. Meu marido e eu testamos negativo. Não foi possível rastrear a origem de sua doença, embora presumamos que era alguém da escola. “Pura infecção!” Meu marido brincou.

Quando nossa quarentena acabou, em meados de março, o governador de São Paulo declarou estado de emergência, fechando todas as escolas. O vírus estava se espalhando pelo país, ceifando um número recorde de vidas. Uma amiga minha que é enfermeira disse que agora é comum vê-lo Engarrafamento de ambulância Na frente de hospitais. Fora de nosso apartamento, o estacionamento estava lotado.

Foi uma escalada totalmente previsível. Desde que o vírus chegou ao Brasil em março do ano passado, não tivemos um bloqueio adequado, regional ou nacionalmente. Enquanto governadores e prefeitos estaduais tentam impor algumas restrições, o presidente Jair Bolsonaro tem defendido sistematicamente a livre circulação de pessoas – e, portanto, a disseminação do vírus.

READ  Quem pode viajar para a Itália e quais são os requisitos para fazê-lo

Os resultados não poderiam ser mais claros: ocorrem em média cerca de 3.000 mortes por dia, um número surpreendente causado por um novo tipo de coronavírus mais contagioso. Das mortes diárias de Covid-19 em todo o mundo, o Brasil atualmente é responsável por quase um terço. em dezenas de paísesAs unidades de terapia intensiva estão 90% cheias ou mais. O desastre não começa a ser coberto.

O início da vacinação, que foi complicado no início, ainda é lento. Meu pai de 72 anos finalmente recebeu sua segunda dose há 10 dias; Minha mãe de 67 anos recebeu sua primeira dose na semana passada. Apenas 4,5 por cento Da população totalmente imunizada, em comparação com 25% nos Estados Unidos. Nosso sistema de saúde pública pode fazer mais, mas nós simplesmente Você não tem vacinas suficientes. Nunca esqueceremos que no ano passado o governo de Bolsonaro rejeitou uma oferta de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer.

Muitos outros países estão começando a emergir da crise, enquanto nosso país está afundando ainda mais na catástrofe. Mas Bolsonaro – que tem desencorajado ativamente o distanciamento social, testes e vacinações – tem prestado pouca atenção. “Chega de alarido e gemidos,” disse em março. “Quanto tempo vai durar o choro?”

Sem vacinas ou vontade política para conter o vírus, não temos muita escolha. Não podemos sair às ruas para protestar – pelo menos não sem um alto risco de infecção – e as próximas eleições dentro de um ano e meio. Mais de 370.000 brasileiros morreram para sempre. O resto de nós, vivemos como prisioneiros em nossas casas, vendo ambulâncias passarem.

READ  A estrela da coroa Emma Corinne já guardou roupas de namorados para você cheirar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *