O que aprendi com a Netflix e o Google pode ajudar ONGs no Brasil

O Vale do Silício, nos Estados Unidos, é há muito conhecido por suas empresas inovadoras, startups bilionárias e universidades mundialmente famosas. Mas hoje é uma referência muito importante para a atuação das organizações do terceiro setor no Brasil.

O objetivo deste projeto é O impacto social da mensagem, Iniciativa da Fundação Brava, Fundação Limão, Instituto Humanizar e República.org. Juntos, eles organizaram um programa de dois meses que traz 30 líderes em uma terceira missão para startups, aceleradores, organizações sem fins lucrativos e universidades para uma missão hipotética e diálogo com o ecossistema de inovação do Vale do Silício, fundos de investimento e empresas do setor público.

Laboratório BrasilO centro de inovação que montei há cerca de cinco anos foi uma das pessoas escolhidas para o programa e, em 10 de março, foi nosso primeiro encontro do dia – e muitas lições valiosas.

Diferentes áreas, aprendizagem comum

A Missão de Impacto Social é uma iniciativa pioneira no Brasil e chega em um momento muito importante para ONGs, ONGs, no que chamamos de setor terciário.

Isso porque, se 2020 é um grande desafio para os setores mais isolados, afetou particularmente a sociedade civil. Trabalhando com disciplinas estratégicas como educação, saúde, meio ambiente, segurança pública e assistência social, o setor terciário testemunhou os desafios históricos do país após anos de declínio, como é o caso da pobreza extrema.

Esse cenário de maiores demandas sociais tem uma base comum com os desafios econômicos que a pandemia traz. A mistura foi mortal e os efeitos já são evidentes: um estudo O impacto do Kovid-19 nas organizações da sociedade civil brasileira, realizado por consultores da Mobilija e Race Partners, 73% das OSCs foram afetadas negativamente pela epidemia, principalmente em termos de arrecadação de fundos, o que aumentou a probabilidade de interrupção das atividades com certeza.

READ  O retorno de "Survivor" A versão brasileira de "Sem Fronteiras" após um hiato de 12 anos

Nesse contexto, a terceira área torna-se mais fundamental e estratégica, mas requer novas tecnologias, inovações e formas de fazer as coisas. Precisamos expandir o impacto e melhorar os recursos.

Portanto, a missão de impacto social promove a troca de aprendizados, experiências e vínculos para atingir esse objetivo. Será um lugar para os líderes do terceiro setor “acenderem” suas ideias e compartilharem desafios experimentados, soluções e oportunidades potenciais.

Nos próximos dois meses, realizaremos seis reuniões temáticas, com os seguintes temas: Desenvolvimento e Liderança de Equipes; Sistemas a pensar; Novas formas de arrecadação e financiamento; Desenho organizacional e planejamento estratégico; Gestão e avaliação de impacto; Gerenciamento de rede e parceiros.

Em ambos os lados, a diversidade de organizações e disciplinas de negócios é enorme.

No Brasil, estão envolvidas instituições ambientais e de sustentabilidade, como o Instituto Pibiru e a Conservação Internacional; Tecnologia e inovação, como BrazilLab, ITS e Villinka; Há representantes da área de educação como Fundação Estudar e Nova Escola; Administração pública, com a participação da Vettor Brasil e CLP; Segurança pública, com cem da paz; E instituições nas áreas de justiça social, saúde pública e proteção social, como o Instituto Dara, Gerando Falkes e Impulso Gove.

No Vale do Silício, o diálogo ocorrerá com organizações como Netflix, Google, Facebook e Singularity University, além de representantes do terceiro setor, com a participação de Betty Moore, Nest Social Investment Funds e Silicon Valley Social. Fundo de risco.

Desenvolvimento e liderança de equipe

No primeiro dia, o evento contou com a presença de Lucian Carrillo, diretor de atendimento ao cliente da Netflix, e de Nelson Mattos, vice-presidente de organizações como Google e IBM, e hoje trabalha em projetos sociais na Tanzânia e Indonésia.

Ambos falaram sobre os desafios enfrentados pela gestão de suas equipes e destacaram a importância de medir o desempenho e a entrega das pessoas. Mas com perspectivas diferentes: enquanto a Netflix adota mais autoanálise baseada em diálogo e feedback constantes, os experimentos descritos por Nelson Mattos usam indicadores precisos e mensuráveis ​​que são monitorados com tecnologia. Porém, para ambos, é preciso haver horizonte e transparência para ter boas experiências de gestão de equipes.

READ  Um voluntário brasileiro morre em um ensaio da vacina AstraZeneca COVID-19, e o ensaio continuará

Mas talvez o tópico mais proeminente seja a questão da liderança, que já abordei. Aqui correndo Coluna. Conhecimento, experiência e entusiasmo ainda são necessários para reconhecer o talento e as habilidades comportamentais, mas os líderes que desejam se destacar devem ir muito mais longe.

Você precisa saber como adaptar seus padrões com base no contexto, ser eficaz fora de sua zona de conforto e não ter medo de esconder suas fraquezas. Fundamentalmente: compreender que crises são oportunidades de mudança e demonstrar verdadeira capacidade de liderar pessoas e entregar resultados.

A primeira reunião da Missão de Impacto Social foi tão emocionante e mal posso esperar para sair. Se tiver interesse, siga o BrazilLab para saber mais e ficar por dentro: você pode ter outros lançamentos no horizonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *